Opinião: Jogos Olímpicos libertam o Rio

Astrid Prange

Mesmo que após os Jogos os problemas permaneçam, a cidade mudou: uma nova autoconfiança tomou conta de seus cidadãos. No "inferno" carioca, as coisas são mais justas do que no céu olímpico do COI, opina Astrid Prange.

"Welcome to hell" - Bem-vindos ao inferno: com essa saudação, ainda em fins de junho policiais protestavam no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro. Sua inquietante mensagem era: não vamos cuidar para a segurança de vocês, pois há meses não recebemos salário.

Os espectadores dos Jogos Olímpicos não se deixaram intimidar por essas boas-vindas. Pelo contrário: centenas de milhares de turistas e atletas ousaram entrar no inferno da metrópole brasileira. Apesar do medo do terrorismo, apesar do zika, apesar da criminalidade.

E - milagre! - eles se sentem bem. Eles desfrutam da hospitalidade e cultura brasileiras, das praias e da natureza - e dos primeiros Jogos na América Latina.

O Rio de Janeiro simboliza céu e inferno, na mesma medida. Nenhuma outra cidade do Brasil reúne em si, em tamanha proporção, contradições e contrastes tão extremos: taxas de assassinato assustadoramente altas frente a frente com uma irrefreável alegria de viver.

As temperaturas no inferno do Rio já vão baixando. Delegações e turistas deixam a cidade, só na segunda-feira (22/08) são esperados 85 mil passageiros no aeroporto. Depois dos Jogos Paralímpicos, em setembro a chama olímpica se apaga definitivamente.

Porém, mesmo que após os Jogos os problemas da cidade permaneçam os mesmos de antes, mesmo que a criminalidade, caos do trânsito, hospitais desmoronando e policiais sub-assalariados sigam marcando o quotidiano carioca, a cidade mudou: uma nova autoconfiança tomou conta de seus cidadãos.

É o justo orgulho de, sob as circunstâncias mais difíceis, ter realizado o maior evento esportivo do mundo, com mais de 10 mil atletas e 500 mil espectadores. É a satisfação de, após anos dos distúrbios causados pelas grandes obras, reconhecer um novo rosto da cidade. E é a alegria pelo reconhecimento mundial desse ato de força organizatório, esportivo e social.

Os Jogos Olímpicos libertaram o Rio. Libertaram do difundido complexo de inferioridade brasileiro de que no exterior tudo funcione melhor do que no próprio país. Libertaram do trauma de que a pobreza e a violência minam a beleza da cidade. Libertaram-no da ilusão de que os visitantes estrangeiros, sobretudo da Europa e dos Estados Unidos, se comportem sempre melhor do que os próprios conterrâneos.

Os nadadores americanos não contavam com essa nova autoconfiança. Eles fracassaram deploravelmente com sua estratégia de simular um assalto - fato alegadamente quotidiano no Rio -, para assim desviar a atenção da própria má conduta. O incidente é mais constrangedor ainda, por partir justo de atletas olímpicos um comportamento tão desleal perante seus anfitriões.

Também o Comitê Olímpico Internacional (COI) precisa repensar. Enquanto houver em seus quadros membros como Joseph Hickey, que vendem ingressos ilegalmente e a preços exorbitantes, o comitê coloca em jogo sua autoridade. Ao que parece, no inferno do Rio as coisas são mais justas do que no céu olímpico do COI, o qual se deleita na Suíça com lucros não tributados, enquanto exige que os contribuintes brasileiros compensem os déficits com seus impostos.

Assim como a Copa do Mundo de 2014 no Brasil, também os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro desmascararam a dupla moral dos supostos guardiães do espírito olímpico e da lealdade esportiva: eles estão muitos anos-luz distantes dos celestiais ideais olímpicos. Obrigado, Rio, e bem-vindos ao mais maravilhoso inferno do planeta!

Astrid Prange é jornalista da DW.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos