OMS mantém zika como emergência sanitária mundial

Organização Mundial da Saúde anuncia medida dada a contínua propagação e o pouco conhecimento científico sobre o vírus. Agência declara, porém, que não houve casos confirmados de zika na Rio 2016.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou nesta sexta-feira (02/09) que o surto do vírus zika continua representando uma emergência de saúde internacional, levando em conta sua contínua expansão geográfica e o pouco conhecimento sobre seus efeitos neurológicos.

A decisão foi recomendada por um comitê de especialistas da agência das Nações Unidas, que participou de uma teleconferência nesta quinta-feira para avaliar a atual situação da epidemia.

"Esse evento atípico [infecção por zika] está rapidamente se tornando, infelizmente, um evento comum", declarou o presidente do comitê, David Heymann, acrescentando que as autoridades de saúde em todo o mundo devem se preparar para a chegada iminente do vírus, transmitido principalmente por mosquitos.

Dada a ausência de tratamentos eficazes e de vacinas contra o zika, Heymann destacou que evitar a infecção está nas mãos da população. "As pessoas precisam assumir a responsabilidade por conta própria", disse, recomendando o uso de repelentes e roupas compridas a pessoas mais suscetíveis.

A OMS também informou que ainda há lacunas consideráveis na compreensão científica sobre o zika, bem como sobre as complicações neurológicas derivadas do vírus, incluindo o nascimento de bebês com microcefalia após a infecção de mulheres grávidas.

"Não temos uma resposta definitiva sobre isso", disse Peter Salama, diretor executivo de epidemias e emergências em saúde da OMS. "O risco [de gestantes com zika darem à luz bebês com microcefalia] é relativamente baixo, mas significativo."

O zika se espalhou por mais de 70 países e territórios, mas é o Brasil que comporta a grande maioria dos casos de bebês com microcefalia após a infecção de gestantes. Heymann afirmou que há estudos em curso no país e que a explicação desse surto pode envolver diversos fatores, da genética à nutrição.

Jogos Olímpicos

Após a reunião do comitê nesta quinta-feira, a OMS também informou que não houve relatos de sintomas do zika em pessoas ou atletas que estiveram no Brasil para a Rio 2016.

"O comitê parabeniza o Brasil pela aplicação bem-sucedida de medidas de saúde pública adequadas durante os Jogos Olímpicos. Até o momento, não houve relatos de casos confirmados de zika entre as pessoas que participaram dos Jogos, durante o evento ou desde o seu retorno", diz a nota da OMS.

Antes da Rio 2016, houve uma preocupação generalizado de que a aglomeração de viajantes internacionais poderia fazer com que o vírus se espalhasse mais rapidamente. Atletas como Marc Leishman, da Austrália, e Vijay Singh, de Fiji, desistiram de ir aos Jogos por conta do zika.

EK/afp/ap/dpa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos