Vaticano vai canonizar Madre Teresa de Calcutá

Sonila Sand (ca)

Após reconhecer cura de engenheiro brasileiro com tumores no cérebro, Santa Sé se prepara para declarar religiosa Nobel da Paz como santa. Seu trabalho também foi motivo de crítica.

O Vaticano canoniza neste domingo (04/09) Madre Teresa de Calcutá, prêmio Nobel da Paz de 1979 e uma das mulheres mais influentes dos 2 mil anos de história da Igreja Católica. A canonização - confirmação final da Santa Sé para que um beato seja declarado santo - será atribuída pela "cura extraordinária", em 2008, de um engenheiro brasileiro com câncer.

As cerimônias de canonização vão transcorrer na Praça de São Pedro, a partir das 10h30 (hora local), um dia antes do 19° aniversário de morte da Madre Teresa de Calcutá, fundadora da Ordem das Missionárias da Caridade.

Para as Missionárias da Caridade, a religiosa já era santa desde o dia em que morreu, em 5 de setembro de 1997. "A canonização nada muda, mas é uma aceitação oficial da Igreja e isso dá esperança", afirmou a irmã Martin de Porres, de 76 anos, que já há mais meio século pertence à ordem fundada por Madre Teresa.

Para a canonização, são necessários, normalmente, dois milagres: um para a beatificação e outro para a canonização propriamente dita. Já em 2003, seis anos após a morte de Madre Teresa, o papa João Paulo 2° beatificou a freira, baseado no caso de uma indiana: ela alegou ter sido curada de um tumor ao direcionar orações para a religiosa e usar uma medalha abençoada pela freira sobre o seu abdômen. A Santa Sé reconheceu o milagre.

Em dezembro de 2015, o papa Francisco aceitou a recomendação da congregação competente - e atribuiu à Teresa de Calcutá o segundo milagre necessário à sua canonização. Trata-se da cura misteriosa de um brasileiro, acometido de tumores cerebrais malignos. Familiares do engenheiro haviam pedido a ajuda da religiosa através de orações.

Irmãs em trajes de pobres

Madre Teresa nasceu como Anjeza Gonxhe Bojaxhiu, em 26 de agosto de 1910, em Skopje. A filha de uma abastada família albanesa recebeu uma educação católica rigorosa de seus pais. Com 17 anos, deixou a sua pátria e entrou para a Ordem de Nossa Senhora de Loreto, na Irlanda. Pouco tempo depois, foi pela primeira vez à Índia e iniciou seu noviciado no Convento de Loreto.

O "chamado de Deus" levou a jovem freira, em setembro de 1946, a uma longa viagem de trem para Calcutá: para ela, sua missão era ajudar e estar ao lado dos mais pobres entre os pobres deste mundo. Convencida de que Jesus vivia em cada pessoa desfavorecida, dois anos mais tarde, ela deixou o convento com permissão do papa Pio 12, para fundar uma nova ordem de freiras. Ela passou a usar um sári branco com três listas azuis - a vestimenta dos pobres em Bengala. Dois anos depois, o Vaticano reconheceu a sua Ordem das Missionárias da Caridade.

Madre Teresa fundou uma casa onde voluntários, freiras e monges cuidavam de pessoas prestes a morrer. Esta casa de moribundos, que ela chamava de Kalighat, a Casa do Coração Puro (Nirmal Hriday, em língua bengali) se localizava ao lado do templo de Cali em Calcutá, a mais venerada e temida divindade dos hindus. Desde a fundação da casa, mais de 45 mil pessoas passaram os seus últimos dia ali.

"A morte é o ápice da vida humana, porque, se uma pessoa morre em paz com Deus, ela atingiu o seu maior desenvolvimento", dizia Madre Teresa.

Controvérsias

Os países ocidentais não tardaram a enviar generosas doações para o seu trabalho com os necessitados. Mas a freira nunca se viu como uma assistente social. Ela dizia que atuava apenas em nome da religião, especialmente no sentido de Jesus Cristo e afirmava reiteradamente: "A vocação não é o trabalho, mas a oração."

Depois do Kalighat, Madre Teresa fundou outras casas para atender aos necessitados. Em Calcutá, onde milhões de pessoas vivem em favelas e mais de 500 mil dormem nas ruas, essa ajuda era somente uma gota no oceano. Mas Madre Teresa trabalhou incansavelmente pelos pobres deste mundo. Por esse esforço, ela foi agraciada com o Prêmio Nobel da Paz, em 1979.

No entanto, a freira não só colheu elogios, mas também críticas: o seu encontro com ditadores, como o haitiano François Duvalier, não foi visto com bons olhos. Além disso, consta que o registro de doações não era efetuado devidamente. Ela também foi criticada por se recusar a administrar analgésicos para aliviar a dor de pacientes.

"Ver como eles suportavam o seu destino também tinha algo de maravilhoso", citou uma revista científica francesa a Madre Teresa, num estudo sobre sua obra de vida. O escritor americano Christopher Hitchins chegou a classificá-la como "anjo do inferno".

Madre Teresa pouco se importava com seus críticos. A religião era sua vida: "Todos sofrem neste mundo. Precisamente esse sofrimento deve ser usado no espírito certo, para que seja transformado no amor em Cristo. Principalmente hoje, quando reina tanto pecado."

Madre Teresa morreu aos 87 anos. Até hoje, albaneses e macedônios discutem se a freira deve ser considerada cidadã da Albânia ou da Macedônia. Ambos os países construíram monumentos em sua homenagem.

Atualmente, mais de 5 mil freiras pertencem à ordem fundada por Madre Teresa. Existem cerca de 600 casas das Missionárias da Caridade em 130 países.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos