Moro condena Bumlai e mais sete em processo da Lava Jato

Pecuarista é condenado a 9 anos e 10 meses de prisão por gestão fraudulenta e corrupção passiva em negociações envolvendo o PT, a Petrobras e o grupo Schahin. Cerveró, Vaccari e executivos também são alvos da sentença.

O juiz federal Sérgio Moro condenou o pecuarista José Carlos Bumlai e o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró num processo oriundo da 21ª fase da Operação Lava Jato. A sentença, que ainda atinge outros seis réus, foi publicada nesta quinta-feira (15/09) pela Justiça Federal do Paraná.

Também foram condenados o empresário Fernando Baiano, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e os executivos Fernando Schahin, Milton Taufic Schahin e Salim Taufic Schahin, todos ligados ao grupo Schahin. Entre os crimes estão lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e corrupção passiva e ativa.

Bumlai recebeu uma pena de nove anos e dez meses de prisão. Ele foi condenado pelo empréstimo de mais de 12 milhões de reais junto ao Banco Schahin, em outubro de 2004. Na sentença, Moro afirma que o empréstimo foi fraudulento e tinha como real beneficiário o PT.

A dívida, com vencimento previsto para novembro de 2005, teria sido quitada em 2009, por meio de um contrato de venda de embriões de gado bovino das fazendas de Bumlai a empresas do grupo Schahin. "A dação [extinção da dívida] em pagamento teria sido simulada, pois os embriões bovinos nunca foram entregues", diz a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), que consta na sentença.

Segundo o MPF, a verdadeira causa para a quitação teria sido a contratação do Schahin pela Petrobras para a operação do Navio-Sonda Vitoria 10000, em janeiro de 2009. O contrato tinha um prazo de dez anos, prorrogáveis por mais dez anos, com valor global de pagamento de 1,5 bilhão de dólares.

Na sentença, Moro destaca que "ninguém obrigou Bumlai a aceitar figurar como pessoa interposta no contrato de empréstimo ou aceitar a quitação fraudulenta do empréstimo ou simular a doação de embriões bovinos", sendo "óbvio que assim agiu para, assim como o grupo Schahin, estabelecer ou manter boas relações com a agremiação política que controlava o governo federal".

Cerveró, que foi diretor da área internacional da Petrobras, foi condenado a seis anos e oito meses em regime semiaberto, por ter participado da contratação do grupo para operação do navio da petrolífera.

Na mesma ação, Moro absolveu Jorge Zelada, também ex-diretor da área internacional da estatal, do crime de corrupção passiva, e Maurício de Barros Bumlai, filho de Bumlai, dos crimes de corrupção passiva e de gestão fraudulenta de instituição financeira, ambos por falta de provas.

Empresário do setor sucroalcooleiro, Bumlai é amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e teve acesso ao gabinete do petista durante os seus oito anos de governo. Os dois foram apresentados pelo ex-governador do Mato Grosso do Sul Zeca do PT, em 2002. Lula, nesta quarta-feira, foi apontado por procuradores da Lava Jato como o "comandante máximo" do esquema de corrupção na Petrobras.

Bumlai foi preso pela força-tarefa da Lava Jato em novembro de 2015 e, em março deste ano, foi encaminhado para prisão domiciliar em São Paulo para o tratamento de um câncer na bexiga. Na semana passada, dia 6 de setembro, voltou para a carceragem da Polícia Federal em Curitiba e se encontra detido no Complexo Médico-Penal em Pinhais, região metropolitana da capital paranaense.

EK/abr/efe/ots

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos