Presidente filipino é acusado de matar investigador

Ex-membro de esquadrão da morte afirma que, quando prefeito, Rodrigo Duterte matou homem a tiros e ordenou o assassinato de quase mil pessoas. Parlamento Europeu condena atual onda de execuções nas Filipinas.

Um ex-membro de um esquadrão da morte nas Filipinas acusou nesta quinta-feira (15/09) o presidente Rodrigo Duterte de ordenar o assassinato de centenas de pessoas quando era prefeito de Davao e de ter matado a tiros um representante do Ministério da Justiça.

As acusações foram feitas por Edgar Matobato, que fazia parte do esquadrão da morte de Duvao, durante depoimento a uma comissão parlamentar de inquérito no Senado, em Manila. Segundo ele, nas duas décadas em que Duterte foi prefeito da cidade, seu esquadrão matou, por ordem do político, cerca de mil pessoas.

O Senado do país do Sudeste Asiático analisa atualmente as execuções por esquadrões da morte, que cresceram de forma exponencial depois que Duterte tomou posse como presidente, em junho deste ano. Segundo a polícia, elas já resultaram na morte de mais de 3.100 pessoas.

Duterte ganhou a eleição presidencial em maio com a promessa de, entre outras coisas, agir com firmeza contra a criminalidade relacionada à droga no país e executar traficantes.

O Parlamento Europeu condenou a atual onda de execuções extrajudiciais e assassinatos nas Filipinas. Os deputados reivindicaram nesta quinta-feira, em Estrasburgo, uma investigação dos casos, assim como uma política que respeite os direitos humanos.

"Como galinhas"

Matobato ainda afirmou que os membros do grupo de extermínio em Davao - composto principalmente por policiais e ex-rebeldes comunistas - abatiam suas vítimas "como galinhas", jogando na maioria das vezes seus corpos numa pedreira. Outras vítimas foram jogadas no mar, uma delas teria sido devorada viva por crocodilos.

Por encomenda de Duterte ou de altos funcionários da polícia, o esquadrão executou, entre 1988 e 2013, supostos "criminosos, estupradores, traficantes e ladrões". Entre as vítimas estavam, de acordo com Matobato, um amigo da irmã de Duterte, que era guarda-costas de um rival local assim como adversário do filho de Duterte, Paolo, atual vice-prefeito de Davao.

Matobato afirmou que chegou a testemunhar quando Duterte matou a tiros um investigador do Departamento de Justiça. Arrependido, o pistoleiro decidiu se entregar ao Ministério da Justiça filipino, aderindo a um programa de proteção a testemunhas.

O porta-voz de Duterte, Martin Andanar, rejeitou as alegações, afirmando que a Comissão Nacional de Direitos Humanos do país já examinou as acusações "há muito tempo", mas que nunca houve um indiciamento.

Outro porta-voz presidencial anunciou que o governo vai realizar sua própria investigação. O filho do presidente disse que Matobato é louco e que suas declarações foram baseadas em "puros boatos".

MD/kna/afp/dpa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos