Berlim e os desafios de se tornar uma metrópole mundial

Kay-Alexander Scholz (ca)

Crescimento populacional, falta de escolas e um aeroporto inacabado são alguns dos desafios da capital alemã, conhecida pelo slogan "pobre, mas sexy". Em meio a tantas mudanças, ir às urnas é uma tarefa difícil.

Dit is Berlin (Isto é Berlim), suspiram berlinenses, novos moradores e turistas no dialeto local, quando mais uma vez duvidam da capacidade da cidade de resolver seus problemas. A frase funciona como uma espécie de mantra de meditação - quando o transporte público fica um caos, canteiros de obra se tornam provas de paciência ou quando se leva meses para conseguir marcar uma hora para registrar o carro na prefeitura. Nesses momentos, o residente da capital alemã percebe como Berlim está sobrecarregada com a sua própria dinâmica.

Atualmente, dois temas estão particularmente em discussão. O primeiro é o Aeroporto de Berlim-Brandemburgo (BER), onde já foram enterrados bilhões de euros. Depois de dez anos de construção, ainda não se sabe quando ele vai ficar pronto.

Outro tópico é a situação de muitas escolas. Nos bairros gentrificados da cidade, o número de crianças cresceu vertiginosamente. Faltam escolas, e contêineres foram transformados em salas de aula. Outros prédios escolares apresentam rachaduras e goteiras.

Feridas do passado

Afinal, a capital alemã pode ou não ser considerada uma metrópole mundial? Quanto a essa questão é preciso dizer que cidades supostamente funcionais, como Munique, Frankfurt, Paris e Londres, não podem ser comparadas a Berlim. Pois nenhuma cidade possui tantas feridas visíveis na paisagem urbana e tantas lesões em sua alma quanto a capital alemã.

Antes metrópole mundial, ela foi destruída na guerra, depois dividida por décadas, tornando-se uma interface da Guerra Fria. Depois de 1989, Berlim se tornou forçosamente - sobretudo em sua administração - um laboratório para a integração entre o leste e o oeste da Alemanha reunificada.

Depois da longa ressaca das comemorações da queda do Muro e do histérico burburinho em torno da capital alemã, Berlim voltou finalmente a jogar na primeira liga das metrópoles mundiais. Desde o novo milênio, pessoas da Europa e de todo o mundo se mudaram para lá. Atualmente, a população da cidade registra um aumento anual de 40 mil habitantes. Isso significa um imenso desafio para a infraestrutura de Berlim, que ainda não superou completamente as consequências da divisão alemã.

Sede do governo, Meca do turismo, capital do sexo e festas, ímã de startups - são atributos usados frequentemente para descrever a vida em Berlim e, ao mesmo tempo, tudo o que precisa ser administrado. Alguns berlinenses estão simplesmente estressados e questionam o próprio lugar nesse novo mundo.

"Pobre, mas sexy"

A famosa descrição de Berlim feita pelo ex-prefeito Klaus Wowereit, "pobre, mas sexy", continua sendo verdade apenas em parte. Na comparação com outros estados alemães, o crescimento econômico da capital (Berlim é uma cidade-Estado) não deixa a desejar; a taxa de desemprego está finalmente prestes a ficar abaixo da marca dos 10%; as receitas fiscais são altas. Mesmo assim, a cidade ainda depende da transferência de recursos de outras unidades da federação, e mais de 60 bilhões de euros em dívidas ainda não foram pagos.

Quem lançar um olhar sobre os telhados berlinenses verá um guindaste atrás do outro. Isso é assim há anos. Em Berlim, as construções não param. Atualmente, também arranha-céus - símbolos da vida em grandes cidades - voltaram a ser erguidos. Paralelamente, nos bairros, as construções se adéquam aos cidadãos. A prefeitura apoia experimentos de novas formas de convivência. Afinal de contas, a cidade não deve ser entregue somente a investidores.

Pouco antes da eleição, o atual prefeito, Michael Müller, político social-democrata que pretende continuar no cargo, cogitou introduzir um imposto especial para investidores estrangeiros, com o objetivo de conter a especulação imobiliária. Também o tema do aluguel de apartamentos por temporada para turistas já foi tratado - já que na cidade há falta de moradias. Para plataformas de hospedagem, como Airbnb, não é mais tão fácil impor seu modelo de negócios em Berlim. A capital alemã está ciente de que tem a chance de não repetir os erros de outras metrópoles, permanecendo habitável e acessível.

Tradicional insatisfação

Com toda essa natureza multifacetada da cidade, não é de estranhar que as preferências partidárias sejam mais fragmentadas na capital alemã do que em qualquer outro estado do país.

Nas pesquisas antes das eleições para a assembleia legislativa municipal e distrital, marcadas para este fim de semana, o Partido Social-Democrata (SPD) é o único com mais de 20% das intenções de voto dos eleitores. A União Democrata Cristã (CDU), o Partido Verde e, mais recentemente, também a legenda populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) estão quase empatadas e somente um pouco atrás do SPD. Ainda que o segundo lugar da CDU esteja quase garantido.

Nesta eleição estadual legislativa, questões políticas nacionais desempenham somente um papel secundário. Afinal de contas, existe uma abundância de temas locais em jogo, e nesse contexto, a insatisfação dos berlinenses é tradicionalmente grande. Isso pode ser visto antes do pleito. Numa eleição direta, Müller não seria reeleito pelos berlinenses.

Mesmo assim, o atual prefeito, de 51 anos, pretende continuar no cargo. Ele já declarou, publicamente, ser a favor de uma coalizão entre o SPD e o Partido Verde. No entanto, as pesquisas de intenção de voto indicam um cenário diferente. O motivo é a AfD, que balançou antigas relações de maioria. Por isso, acredita-se na provável formação de uma coligação tripartite entre SPD, Partido Verde e A Esquerda.

Independentemente dos resultados das urnas, uma coisa é certa: não faltarão berlinenses insatisfeitos com os resultados - algo típico dos moradores da capital alemã.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos