ONU suspende ajuda humanitária na Síria

Nações Unidas interrompem auxílio depois de ataque a comboio que deixou 20 mortos. EUA acusam Rússia e Síria, que negam com veemência terem bombardeado caminhões que transportavam produtos de primeira necessidade.

O Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas (OCHA) anunciou nesta terça-feira (20/09) que todas as operações humanitárias na Síria estão suspensas após o ataque aéreo a um comboio de ajuda humanitária na região de Aleppo, na segunda-feira.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha afirmou que cerca de 20 civis morreram no ataque. Entre os mortos está o chefe do Crescente Vermelho da Síria, que também afirmou que vai suspender seu trabalho na província de Aleppo por três dias em protesto pelo ataque.

Os Estados Unidos responsabilizaram a Rússia e a Síria pelo ataque e disseram que vão reavaliar a cooperação com os russos. O Ministério da Defesa da Rússia, porém, negou enfaticamente que aeronaves russas ou sírias tenham atacado o comboio. Síria também negou que seus aviões sejam responsáveis pelo ataque.

"Não há sinais de cratera e os automóveis também não apresentam danos no chassi como resultado de um choque explosivo", afirmou o porta-voz do Ministério russo da Defesa, Igor Konashenkov, alegando que o comboio não sofreu nenhum ataque aéreo.

Segundo ele, o que se vê nas imagens "é consequência direta do incêndio da carga, que misteriosamente começou de forma simultânea com a ofensiva das milícias sobre Aleppo. Toda informação sobre a localização do comboio estava disponível apenas aos militantes que controlam essas áreas", acrescentou.

Um comboio humanitário das Nações Unidas e do Crescente Vermelho foi atacado nas proximidades da cidade de Urum al-Kubra, no oeste de Aleppo. Dos 31 caminhões, 18 foram destruídos. O OCHA ressaltou que o comboio tinha a autorização das autoridades para atravessar o território e distribuir assistência humanitária, que todas as partes beligerantes estavam informadas sobre sua trajetória e que estava claramente marcado como humanitário.

O chefe da ajuda humanitária da ONU, Stephen O'Brien, disse que muitas pessoas morreram ou ficaram seriamente feridas. "Vou ser bem claro: se esse ataque cruel mirou intencionalmente ajuda humanitária, isso significa crime de guerra", afirmou. "Não há nenhuma explicação ou desculpa, nenhuma razão ou racionalidade que explique o ataque a trabalhadores humanitários que tentam ajudar cidadãos que necessitam de ajuda de forma desesperada", disse.

Os caminhões transportavam ajuda de primeira necessidade, como comida, roupas e medicamentos, para 78 mil pessoas que sobrevivem em Urum al-Kubra, no oeste da província síria de Aleppo, e que não recebem assistência desde julho.

AS/efe/ap/afp/rtr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos