Vazamento revela ligação de políticos com offshores nas Bahamas

"Bahamas Leaks" mostram detalhes sobre empresas em paraíso fiscal. Assim como no caso dos "Panama Papers", dados foram enviados ao jornal alemão "Süddeutsche Zeitung" por uma fonte anônima.

Apenas cinco meses após os chamados Panama Papers, um novo vazamento expõe políticos que usavam um paraíso fiscal para esconder seu dinheiro. O jornal alemão Süddeutsche Zeitung divulgou nesta quarta-feira (21/09) documentos referentes a offshores abertas nas Bahamas entre 1990 e 2016.

O vazamento inclui dados referentes a mais de 175 mil empresas-fantasmas e fundações com sede no paraíso fiscal. Os dados fazem parte do registro de empresas do governo das Bahamas.

Entre os nomes de maior destaque que aparecem nos chamados Bahamas Leaks está o da ex-comissária da União Europeia (UE) da Concorrência Neelie Kroes. A holandesa, de 75 anos, aparece registrada como diretora de uma offshore durante o período que exercia sua função na UE. Integrantes da Comissão Europeia são proibidos de exercer outras funções.

A política informou que tudo se trata de um equívoco. Segundo o advogado de Kroes, a offshore, chamada Mint Holdings Limit, foi fundada em 2000 para um negócio com a empresa de energia americana Enron que acabou não saindo do papel, e, portanto, a firma nas Bahamas nunca chegou a funcionar.

Além de Kroes, aparecem nos documentos os nomes de políticos como o ex-ministro colombiano de Minas Carlos Caballero Argáez, o ministro de Finanças canadense, William Francis Morneau, do vice-presidente angolano, Manuel Domingos Vicente, e da ministra do Interior britânica, Amber Rudd. A Federação Internacional de Tênis (ITF) figura também nos Bahamas Leaks.

Possuir offshores não é proibido, o problema surge, porém, quando essas empresas são usadas para cometer crimes, como lavagem de dinheiro ou evasão fiscal. Há muitas razões para abrir uma empresa nas Bahamas, como a ausências de impostos sobre os lucros, por exemplo. Outro motivo é o anonimato, já que as informações compartilhadas pelo governo local são limitadas.

Assim como nos Panama Papers, os dados do Bahamas Leaks foram repassados para o Süddeutsche Zeitung por uma fonte anônima. O jornal compartilhou os 38 gigabytes de informações recebidas com o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), e os resultados de sua apuração, com outras empresas de comunicação, como os jornais britânico The Guardian e francês Le Monde, além da emissora alemã NDR.

CN/ots

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos