Exército sírio inicia ofensiva terrestre em Aleppo

  • Abdalrhman Ismail/Reuters

    Civis passam por prédios destruídos na área rebelde de al-Myassar, em Aleppo, na Síria

    Civis passam por prédios destruídos na área rebelde de al-Myassar, em Aleppo, na Síria

Depois de dias de intensos bombardeios, o Exército sírio e seus aliados iniciaram nesta terça-feira (27) uma ofensiva terrestre em diversas frentes em Aleppo. Com a manobra, o regime de Bashar al-Assad recuperou o controle do bairro de Al-Farafira, na parte antiga da cidade, anunciou a agência de notícias estatal Sana.

Segundo a Sana, os militares, que contaram com o apoio de milícias do Iraque, Irã e Líbano, mataram vários rebeldes durante os combates e estão retirando da região, localizada ao noroeste da cidade, minas e explosivos deixados pelos opositores. Os rebeldes afirmaram que as tropas estão avançando pelo norte e sul.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos confirmou o avanço das tropas, mas não disse em quais regiões acontecem os combates. A ONG afirmou que grupos rebeldes lançaram projéteis contra o bairro de Al Fiai, controlado pelo regime. O ataque teria causado danos materiais. Mísseis foram lançados em Nubul e Zahraa, que também estão sob o poder do governo.

A Sana noticiou ainda que o regime bombardeou alvos "terroristas" em Kafr Hamra, Andam, Hian. Os opositores disseram que vão lutar até o fim para defender as áreas conquistadas.

Cenário de destruição

Residentes de Aleppo afirmaram nesta terça-feira que os bombardeios diminuíram com o início da ofensiva terrestre. Mas os intensos ataques aéreos dos últimos dias deixaram marcas profundas. Moradores descrevem cenas de horror na maior cidade síria. Destroços de edifícios bloqueiam ruas e dificultam os trabalhos de regaste.

De acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos, mais de 155 pessoas foram mortas em ataques aéreos desde o anúncio da ofensiva na semana passada.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) fez um alerta sobre a situação de instalações de saúde no leste da cidade que estão, na prática, "completamente destruídas". Apenas 30 médicos restaram nas áreas controladas por rebeldes e faltam medicamentos para atender aqueles que necessitam de tratamento.

A OMS pediu ainda que sejam criados na cidade corredores humanitárias para a retirada de doentes e feriados. Estima-se que mais de 250 mil civis estejam retidos em áreas controladas por opositores de Assad.

Desde meados de 2012, rebeldes assumiram o controle do leste de Aleppo, enquanto tropas do governo mantiveram o domínio sobre o oeste da cidade. A recente escalada de violência foi classificada pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido como barbárie.

Ambos os países acusaram Moscou de estar piorando a carnificina na Síria. A Rússia rechaçou a acusação e afirmou que esse tom poderia prejudicar o processo de paz do conflito, além das relações bilaterais. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos