Ponto turístico Loreley será renovado, apesar de protestos

Lendário rochedo no rio Reno deve receber novas atrações para atender a turistas. Militantes do meio ambiente reclamam da derrubada de árvores prevista no projeto.A formação rochosa no rio Reno denominada Loreley, perto da cidade de Sankt Goarshausen, é uma atração turística de proporções míticas. Embora no mito original o rochedo não seja uma fonte de boa sorte, ele tem sido um destino turístico popular, por oferecer uma vista deslumbrante da região do Médio Reno. Agora o local vai receber novas atrações para atender a turistas. Um anfiteatro para shows de música, construído durante o período nazista, deve ser renovado a um custo de cerca de 6 milhões de euros. A obra deve ser financiada pela prefeitura de Sankt Goarshausen e o governo do estado de Renânia-Palatinado, entre outros. Bandas de renome internacional, como Genesis, Metallica, Red Hot Chili Peppers e U2 já tocaram no lugar. "É uma grande oportunidade para a região", comentou o secretário do Interior de Mainz, Roger Lewentz. "O mito de fama internacional da Loreley pode ser apreciado mais uma vez." Walter Schumacher, ex-secretário de Cultura do estado da Renânia-Palatinado, já chamou as instalações existentes sobre o rochedo de "relativamente sujas". O projeto pretende mudar isso. O escritor alemão Clemens Brentano foi o primeiro a associar a rocha a uma personagem feminina, num poema de 1801. Uma acusada de enfeitiçar os homens, levando-os à morte, acaba subindo a rocha, de onde cai para a morte. O poeta Heinrich Heine recuperou o tema em seu famoso poema de 1824 A Loreley. Nele, uma figura feminina se senta sobre a rocha do Reno, cantando e penteando seu longo cabelo. Ela é tão bonita que distrai os capitães dos navios que passam pelo trecho, os quais se chocam contra as rochas nesse ponto do rio. Desmatamento controverso No novo projeto, o acampamento, hotel e albergue existentes no local turístico renano, que recebem cerca de 16 mil pernoites por ano, devem ser desativados, para dar lugar a um novo hotel. "Precisamos de uma renovação", disse Rainer Knecht, que dirige o tobogã que funciona na Loreley, à agência de notícias alemã DPA. "O tempo não para, mas aqui ele parou." No entanto, para Knecht, as mudanças são muito radicais, especialmente a demolição parcial do albergue e o fechamento do hotel. Knecht não está sozinho em suas preocupações. No início deste mês, manifestantes colocaram quase 200 cruzes brancas com os dizeres "R.I.P. Loreley 2016" (Descanse em paz), para lamentar a perda de charme do rochedo, e de um terço das árvores dos arredores. Das 390 árvores do entorno, 130 devem ser derrubadas, para abrir a vista sobre o Reno para os visitantes. O plano foi aprovado pelas autoridades de proteção do meio ambiente. MD/dw,dpa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos