Merkel recupera popularidade, aponta pesquisa

Rebecca Staudenmaier (md)

Índice de aprovação da chanceler federal alemã sobe nove pontos percentuais em relação a setembro, após meses em queda. Sondagem revela que maioria dos alemães não acredita em solução europeia para crise de refugiados.Apesar de enfrentar críticas por sua política de refugiados e de meses de baixas taxas de aprovação, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, parece estar recuperando sua popularidade, aponta a última pesquisa Deutschlandtrend (tendência na Alemanha). Realizada pelo instituto de pesquisas Infratest Dimap, a sondagem indica que 54% dos entrevistados estão muito satisfeitos ou satisfeitos com o desempenho de Merkel, colocando-a em terceiro lugar entre os políticos mais populares da Alemanha. O índice é nove pontos percentuais mais alto do que o verificado pela mesma pesquisa no mês passado – de 45%, o menor nível registrado desde 2011 – e contradiz outras enquetes recentes. Em agostoo, a taxa verificada na Deutschlandtrend havia sido de 47%, e em julho, de 59%. À frente do ranking como político mais popular do país está o ministro do Exterior, o social-democrata Frank-Walter Steinmeier, com 75% de eleitores dizendo estar muito satisfeitos ou satisfeitos com o desempenho dele. O ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, correligionário de Merkel na União Democrata Cristã (CDU), ficou em segundo lugar, com 63% de aprovação. O governador da Baviera, o conservador Horst Seehofer, da União Social Cristã (CSU) – partido-irmão da CDU, que existe apenas na Baviera – caiu sete pontos percentuais nas sondagens, com 37% dos entrevistados dizendo estar muito satisfeitos ou satisfeitos com o trabalho do político. Seehofer é partidário de uma política de refugiados mais dura, tendo repetidamente criticado Merkel a esse respeito, pedindo um limite à entrada de migrantes. Sem solução europeia para crise de refugiados Tendo como pano de fundo o referendo na Hungria contra as cotas de refugiados definidas pela União Europeia (UE) – em que 98% rejeitaram uma distribuição de migrantess entre os países do bloco –, os entrevistados responderam perguntas sobre se deve ou não haver uma solução a nível europeu ou se Estados devem decidir suas próprias cotas. De acordo com a Deutschlandtrend, quase dois terços dos alemães não acreditam que uma solução europeia para a crise de refugiados seja realista. Em relação à integração dos refugiados, 98% dos entrevistados na Alemanha acreditam que cursos de alemão devem ser prioridade na integração dos refugiados, seguidos por medidas como integrar crianças refugiadas em escolas e ensinar valores alemães. Medo da violência de extrema direita A Alemanha tem enfrentado recentemente um aumento da violência de extrema direita, incluindo duas explosões de bombas no mês passado em Dresden, uma do lado de fora de uma mesquita e outra no terraço do centro de convenções International Congress Center. Ninguém ficou ferido, mas a polícia suspeita de motivação xenófoba. A pesquisa Deutschlandtrend apontou que 84% dos alemães acreditam que a ameaça de violência de extrema direita representa um grande perigo. Comparativamente, apenas 68% dos entrevistados considera que a ameaça de ataques islâmicos é grave. A pesquisa foi realizada com 1.003 eleitores em 4 e 5 de outubro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos