Santos, o presidente que luta pelo acordo de paz

Rosa Muñoz Lima

Após população dizer "não" a pacto de paz com as Farc por estreita margem em plebiscito, presidente colombiano não desiste e procura pôr fim a um conflito que durou mais de cinco décadas e deixou 220 mil mortos.A biografia do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, sugere que ele "se preparou toda a sua vida para ser presidente da República, como era o seu tio-avô Eduardo Santos no passado". É o que afirma o site La Silla Vacía, que se diz especialmente preocupado com "como se exerce o poder na Colômbia". Finalmente, em 20 de junho de 2010, Santos derrotou, no segundo turno, o candidato do Partido Verde Antanas Mockus e se tornou o sucessor de Álvaro Uribe (2002-2010). "Ele recebeu uma votação superior a 9 milhões de votos, a mais alta obtida por um candidato na história da democracia colombiana", destaca o site da Presidência. Entre suas promessas de campanha estava liderar um governo de unidade nacional que realizasse a transição da "política de segurança democrática" – elaborada por seu antecessor e implementada por Santos desde que ocupou o Ministério da Defesa – para a "prosperidade democrática". Esse curso levou Santos a anunciar, em novembro de 2012, o início oficial dos diálogos de paz entre seu governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), o maior grupo guerrilheiro do conflito armado colombiano. Três anos mais tarde, em 23 de setembro de 2015, em Havana – sede das negociações de paz –, Santos apertaria a mão do líder das Farc, Rodrigo Londoño Echeverri, conhecido como "Timochenko", depois de colocar como meta a assinatura da paz em seis meses. Família rica e estudos no exterior Membro de uma proeminente família colombiana ligada à política e ao jornalismo, Santos nasceu em Bogotá em 10 de agosto de 1951. Filho de Enrique Santos – um dos diretores e donos do jornal El Tiempo, o periódico mais importante do país –, o atual presidente estudou no Colégio San Carlos, em Bogotá, e foi cadete da Escola Naval de Cartagena. Depois, continuou sua formação no exterior. Ele estudou economia e administração de empresas na Universidade de Kansas, nos EUA. E fez, ainda, pós-graduação na London School of Economics, no Reino Unido; na Universidade de Harvard e na Escola Fletcher de Leis e Diplomacia da Universidade Tufts, também nos EUA. Diplomacia econômica, jornalismo e política Uma vez concluído os estudos, "comecei a promover o café colombiano no exterior e, posteriormente, me dediquei ao jornalismo durante uma década. Finalmente, em 1991, lancei-me à política, ocupando diferentes cargos", resumia Santos e sua equipe de campanha, em primeira pessoa, antes de sua reeleição em 2014. O atual presidente foi chefe da delegação de seu país junto à Organização Internacional do Café (OIC), em Londres. Santos foi ministro de Comércio Exterior e, depois, teve seu nome colocado na disputa para a Presidência da República durante o governo de César Gaviria, no início da década de 1990. Ele foi, ainda, ministro da Fazenda e, depois, de Defesa Nacional durante os governos de Andrés Pastrana e Álvaro Uribe, já nos anos 2000. E, após ter dirigido o Partido Liberal Colombiano, fundou em 2005 o Partido Social de Unidade Nacional (conhecido como Partido de La U), considerado hoje a maior força política do país. O site da presidência ressalta que ele exerceu as funções de colunista e subdiretor do jornal El Tiempo, do qual sua família era a principal acionista. Durante esse período, ele cobriu o frustrado processo de paz entre o governo de Belisario Betancur (1982-1986) e as guerrilhas, assim como a onda narcoterrorista de Pablo Escobar e a Assembleia Constituinte de 1991, lembra o site La Silla Vacía. Posteriormente, ele foi presidente da Comissão de Liberdade de Expressão da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), e chegou a publicar títulos como La Tercera Vía, em coautoria com o ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, e Jaque al Terror (Ameaça ao terror, em tradução livre), onde descreve seu combate contra as Farc desde que se tornou ministro da Defesa. Negociações de paz Como presidente, Juan Manuel Santos levou a cabo uma ambiciosa agenda que inclui a lei de vítimas de conflitos armados, de ordenamento territorial, de terras e, ainda, as reformas da lei de regalias, política e judiciária. Apesar de vivenciar como ministro da Defesa o escândalo dos "falsos positivos" – casos de execuções de civis por parte de militares, em que 4.475 execuções extrajudiciais foram realizadas por membros ativos e aposentados das Forças Armadas –, Santos nunca aceitou nenhuma responsabilidade política pelas acusações feitas por seus subordinados. Ele criou uma comissão de investigação e implementou políticas para deter o assassinato seletivo de inocentes apresentados pelas forças militares como guerrilheiros mortos em combate. Por isso, alguns setores lhe reconhecem atualmente como o ministro que revelou o escândalo e colocou fim a estas práticas. Mas, sem dúvida, a sua "obra" – que tem sido a mais elogiada ou criticada por políticos e cidadãos colombianos nos últimos anos – é a implementação de um processo de paz para encerrar o conflito de mais de cinco décadas entre o governo colombiano e guerrilhas como as Farc e o Exército de Libertação Nacional (ELN). O plano de paz foi especialmente aplaudido no cenário internacional. E na Colômbia – embora tenha sofrido ataques e protestos contra a totalidade ou aspectos específicos dos acordos com as Farc – sua reeleição de 2014 foi interpretada como uma validação do processo de paz que ele insistiu em referendar. As negociações com as Farc foram travadas ou suspensas por várias vezes devido a ações militares ou exigências divergentes de ambas as partes que – apesar da data inicialmente fixada ter vencido – seguiram se mostrando convencidas de que chegariam bem perto. Mas, em plebiscito realizado no dia 2 de outubro, a proposta de paz recebeu o "não" de 50,21% da população, enquanto o "sim", de 49,78%. Apesar da negativa da maior parte dos eleitores, Santos expressa otimismo e criou comissões para tratar das questões que os opositores rejeitaram no acordo e buscar uma solução para o impasse. Caso consiga encontrar um caminho, Santos será reconhecido como o presidente que, depois de mais de cinco décadas de conflitos e milhares de mortos, obteve a paz na Colômbia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos