PUBLICIDADE
Topo

Vaticano diz que cinzas de católicos não podem ser espalhadas

25/10/2016 12h58

Em normas para a cremação de católicos, Santa Sé afirma que cinzas de mortos devem ser guardadas em cemitérios para evitar profanações e ressalta que Igreja continua a preferir o enterro convencional.A Igreja católica proibiu nesta terça-feira (25/10) a dispersão de cinzas de defuntos na natureza ou em outros locais e a sua manutenção em casa. Segundo o documento aprovado pelo papa Francisco, as cinzas devem ser guardadas num lugar sagrado.As normas fazem parte de uma instrução da Congregação para a Doutrina da Fé, que diz, no entanto, que a Igreja continua a preferir o enterro convencional. A cremação é permitida pela Santa Sé desde 1963, desde que não seja um ato de contestação da fé"Para evitar qualquer tipo de equívoco panteísta, naturalista ou niilista, não é permitida a dispersão das cinzas no ar, na terra, na água ou de outro modo", afirma o documento. As normas vetam também que as cinzas sejam mantidas em casas, para evitar que se tornem "lembranças comemorativas" ou "objetos de joalheira" quando armazenadas em adereços como colares.O documento ressalta que, se for escolhida a cremação, as cinzas devem ser guardadas num "lugar sacro, ou seja, nos cemitérios". O Vaticano abre, porém, exceção para casos envolvendo circunstâncias graves e excepcionais, dependendo das condições culturais locais."As cinzas não podem ser divididas entre os membros da família e devem ser respeitadas as condições adequadas de conservação", reforça. A Santa Sé determina também que "caso o defunto tenha pedido a cremação e a dispersão das cinzas na natureza por razões contrárias à fé cristã, as exéquias serão negadas". Se práticas de sepultura e cremação forem consideradas "em desacordo com a fé da Igreja", as autoridades eclesiásticas podem a negar a realização de um funeral, adverte o documento redigido pela Congregação para a Doutrina da Fé, a antiga Inquisição. "A conservação das cinzas num lugar sagrado ajuda a reduzir o risco de afastar os defuntos da oração e da lembrança dos familiares e da comunidade cristã", explicou o espanhol Angel Rodriguez Luno, consultor da Congregação, na coletiva de imprensa em que apresentou o documento. Luno disse que essa determinação evita a "possibilidade de esquecimento, falta de respeito e maus-tratos, que podem acontecer especialmente passada a primeira geração, bem como práticas inconvenientes ou supersticiosas". CN/lusa /abr/efe/ap