Terremoto volta a castigar centro da Itália

Poderoso tremor, inicialmente classificado como o mais forte em décadas, causa destruição na já castigada região central do país. Igreja do século 14 é reduzida a escombros.Um poderoso terremoto abalou na manhã deste domingo (30/10) o centro da Itália, região que, apenas quatro dias antes, já havia sido castigada por uma série de tremores. O novo sismo não deixou mortos, mas causou danos – inclusive em cidades que, em agosto, foram destruídas por um tremor que matou quase 300 pessoas. Segundo as autoridades italianas, a magnitude do tremor foi de 6,6 na escala Richter. O serviço geológico americano, que monitora a atividade sísmica mundial, fala em 7,1 – o que faria do terremoto deste domingo o mais poderoso a atingir a Itália desde 1980, quando cerca de 3 mil pessoas morreram. Seu epicentro foi entre Perúgia e Macerata, tendo sido sentido no centro de Roma – onde o metrô chegou a ser fechado – e em cidades distantes como Florença e Nápoles. Moradores contam que a terra começou a tremer por volta das 7h40 (horário local) nas cidades mais próximas da origem do tremor, que deixou dezenas de feridos. "Foi como se uma bomba tivesse explodido", contou à rede de TV Rai o vice-prefeito de Nórcia, Pierluigi Altavilla, no início da manhã. "Estamos tentando dispersar. Estão acontecendo muitos terremotos agora, nós não aguentamos mais." As primeiras informações são de que a cidade de Nórcia foi especialmente castigada pelo terremoto. A Basílica de São Bento, construída no século 14 no local de nascimento do santo que lhe dá nome, foi reduzida a escombros. O terremoto também provocou vários desabamentos em construções já afetadas por tremores anteriores, como nas cidades de Ussia, Muccia, Tolentino e Preci. A maioria das casas nas áreas de risco já estava vazia, porque, após os sismos do dia 26, as pessoas ficaram desalojadas. "Foram abaixo construções de toda a região, estamos tentando comprovar se há pessoas sob os escombros", disse o chefe de Defesa Civil da cidade de Marcas, Cesare Spuri, à imprensa local. Cerca de quatro mil pessoas, segundo dados oficiais, se encontram desalojadas e recebem assistência desde a quarta-feira passada, quando dois tremores de magnitude superior a 5 causaram notáveis danos no centro da Itália. Muitas destas pessoas saíram às ruas neste domingo e mostraram angústia porque a terra não para de tremer desde então. A Defesa Civil do país pediu que se mantenha a calma e informou que equipes de especialistas estão trabalhando para verificar e quantificar os danos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos