Macron entra na corrida presidencial francesa

Ex-banqueiro e ex-ministro da Economia, que não se considera "nem de esquerda, e nem de direita", já é segundo colocado nas pesquisas de intenção de voto, atrás apenas do conservador Alain Juppé.O ex-ministro da Economia Emmanuel Macron anunciou nesta quarta-feira (16/11) sua entrada oficial na corrida presidencial da França, a cerca de cinco meses das eleições. A candidatura do político de centro-esquerda promete acirrar ainda mais a disputa, até então liderada pelo conservador Alain Juppé. Macron lançou sua candidatura pelo "Em Marcha", movimento independente criado por ele mesmo que, em suas próprias palavras, "não é nem de esquerda, nem de direita". "Estou pronto. É por isso que me candidato para a presidência da França", anunciou em uma coletiva de imprensa realizada em um subúrbio parisiense, prometendo uma "revolução democrática" que vai restaurar o otimismo e a autoconfiança dos franceses. A candidatura de Macron representa uma alternativa para a campanha eleitoral, atualmente dominada por figuras já tradicionais da política francesa. Caso seja eleito, o político de 38 anos será o presidente mais jovem da história da França. Sondagens de intenções de voto sugerem uma vitória do Partido Republicano, de Juppé, mas alguns analistas começaram a questionar a previsão após o resultado surpreendente das eleições americanas. Marine Le Pen, do partido populista de direita Frente Nacional, era até então o nome mais cotado para disputar um segundo turno com Juppé. Uma pesquisa divulgada na terça-feira, no entanto, colocou o então possível candidato Macron logo atrás do favorito. Macron, um ex-banqueiro de investimentos, faz jus ao seu passado profissional com um posicionamento pró-mercado. Ele ficou conhecido durante o governo do atual presidente François Hollande pela desregulamentação de serviços como o de transporte de ônibus, mas jamais ocupou cargos eleitos. Durante a coletiva desta quarta, Macron sugeriu que justamente sua juventude e inexperiência poderão ajudar a livrar o país de anos de alto desemprego e baixo crescimento. "Entramos numa nova era", disse ele, referindo-se aos perigos do aquecimento global, terrorismo, crescimento das desigualdades sociais e crises nas democracias ocidentais. "Não podemos responder com os mesmos nomes e as mesmas ideias", acrescentou. Macron deixou o governo Hollande em agosto, argumentando ter "observado de perto os limites do sistema político" da França e a vontade de ser livre para conduzir sua própria agenda. IP/afp/rtr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos