Competição sem deixar ninguém para trás

Nádia Pontes

Referência em qualidade do ensino público no Brasil, município cearense de Sobral decidiu há duas décadas superar resultados catastróficos e priorizar a educação. Hoje, coleciona as melhores notas no Ideb.Basta um visitante aparecer na porta da sala de aula para receber uma saudação especial dos alunos da escola Emílio Sendim, em Sobral, Ceará. Todas as turmas têm um grito de guerra próprio, que fala em vencer, tirar nota dez e, sobretudo: nunca desistir de estudar. Eles são os melhores estudantes da rede pública do Brasil: conquistaram um 9,8 no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) dentre os alunos dos primeiros cinco anos do ensino fundamental. O clima é de concentração, e os avisos espalhados por toda a escola não deixam ninguém esquecer por quê. Em poucos dias, todos fariam uma avaliação semestral aplicada por uma equipe externa, que mede se os alunos estão de fato aprendendo conforme o programado. "Avaliação é rotina aqui. Nós sempre fazemos reunião com os pais uma semana antes, para que eles nos ajudem e entendam a importância de o filho ir bem", diz Mílvia Carvalho, na direção da escola desde 2014. O desempenho é acompanhado praticamente em tempo real. Planilhas e gráficos formam uma espécie de dossiê, consultado muitas vezes por semana pela diretora. O documento indica se o aluno atingiu a fluência desejada – a leitura de 60 palavras por minuto. Quando a meta não é alcançada, o estudante passa a frequentar as aulas de reforço em outro período, e os pais são chamados a cooperar mais de perto. "Tudo pela alfabetização na idade certa. E pela excelência do ensino", complementa Mílvia. Do analfabetismo à excelência O município de Sobral começou a passar sua história a limpo há duas décadas e se tornou referência em qualidade do ensino público no país. Em 2000, o resultado de uma avaliação do sistema municipal disparou o alerta: metade dos estudantes da antiga segunda série, atual terceiro ano, não sabia ler. Em resposta, o município estipulou metas claras, passou a qualificar professores mensalmente e oferecer tutores que acompanham os gestores nas escolas. O objetivo máximo era alfabetizar crianças aos 6 e 7 anos, período considerado idade certa. "Além das metas, demos às escolas autonomia financeira, pedagógica e administrativa. Isso também exige responsabilização, ou seja, os gestores precisam prestar contas, não só financeira, mas de seus resultados", explica Iracema Sousa, secretária de Educação. Aos poucos, Sobral encampou o ensino fundamental até o 9? ano – segundo a lei, o estado é responsável a partir do 6?. O colégio Maria Dorilene Arruda Aragão é um dos mais novos, com 480 alunos em período integral. Fundado em 2014, tem a quarta melhor nota no Ideb (7,6) dentre os estudantes dos últimos anos do ensino fundamental. Wendel Manfrini de Andrade Mendes, 14 anos, está se despedindo. Foi convidado, com bolsa integral, para fazer o ensino médio numa escola particular bem conceituada, uma das que mais aprovam no vestibular do ITA, Instituto Tecnológico Aeroespacial. Campeão em olimpíadas de matemática, Wendel ajuda a mãe a planejar a compra dos ingredientes para os docinhos que ela vende para complementar a renda, e calcula os lucros. "Ter um jovem no colégio, estudando e com foco na vida já é uma grande vitória nos dias de hoje", comemora o pai, José Edmilson Mendes de Andrade. Sobral administra 55 escolas. Elas trabalham em rede, mas também competem pelas gratificações, dadas pelo município e governo do estado àquelas que obtêm as melhores notas. "Chão da sala de aula" Uma dessas premiações mudou a cara da escola Antônio Custódio, localizada num distrito rural e rodeada pela paisagem seca que não recebe chuva regular há cinco anos. Por causa das altas temperaturas, seus alunos não conseguiam brincar no pátio a céu aberto. Agora, o espaço foi coberto e é tomado pelas crianças na hora do intervalo. O dinheiro veio depois de a escola ir de um extremo ao outro. Foram anos consecutivos na pior colocação dentre as instituições publicas do estado até que Rosa Maria Ferreira de Araújo, então coordenadora, assumisse a linha de frente da mudança. Para que os alunos fossem alfabetizados no tempo previsto, Rosinha, como é chamada, implantou um regime integral informal de ensino. Foi preciso vencer a resistência dos pais, já que houve oposição. No entanto, o apoio daqueles que não desejavam que seus filhos tivessem mãos e pés ásperos, características de quem trabalha debaixo do sol no semiárido, fez com que Rosinha não desistisse. A dedicação dos professores, que foram capacitados para ajudar os estudantes a ler e escrever, também rendeu premiações. Atualmente, a Antônio Custódio tem a segunda melhor nota no Ideb, um 9,7. "O primeiro passo é ajudar o aluno a ter um sonho, injetar nele ânimo e desejos", diz Rosinha sobre suas metodologias não convencionais. "A nossa história mostra que não é preciso uma estrutura cara, com muita tecnologia, lousa digital e outros. O que conta mesmo é o 'chão' da sala da aula", explica, fazendo referência à dedicação de professores e alunos no processo de aprendizagem.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos