"Refugiados não aumentaram criminalidade", afirma especialista em segurança

Matthias von Hein (av)

Falando à DW, presidente do Departamento de Investigações da Alemanha analisa influência da migração sobre segurança no país e na Europa. Prioridade é integrar sistemas informáticos, para agilizar combate ao terrorismo.Sob o título "Crime na Alemanha sob a influência das crises e conflitos globais", a conferência de outono do Departamento Federal de Investigações da Alemanha (BKA) teve como tema central a migração global e suas consequências. A DW entrevistou o presidente do BKA, Holger Münch, sobre os atuais desafios – de cibercriminalidade ao terrorismo dos jihadistas e da extrema direita – e até que ponto os órgãos de segurança do país e da Europa estão aptos a enfrentá-los. Logo de início, Münch desmonta um mito: até o momento, a presença de cerca de 1 milhão de novos imigrantes não acarretou taxas mais altas de criminalidade para a Alemanha. DW: O título da recente conferência do BKA me convida a uma pergunta provocadora: após a chegada de tantos refugiados à Alemanha, é de se esperar uma onda de crime, ou até de terrorismo? Holger Münch: Não, não se pode dizer isso. Desde o outono [terceiro trimestre] do ano passado, elaboramos um relatório registrando os crimes cometidos por imigrantes. Descobrimos que os níveis estão abaixo do que se esperaria, considerando quantos imigraram. Constatamos que, com os originários da Síria, Iraque e Afeganistão, os níveis de criminalidade estão abaixo da média, em relação ao número de imigrantes. Também notamos que há grupos bem visíveis, grupos pequenos, por exemplo do Magreb, e que obviamente temos que focalizá-los em particular. Temos que ver se há estruturas por trás deles, ou laços com gangues ou o crime organizado. Esse é o trabalho da polícia, de forma a, no fim, conhecermos o contexto de que precisamos para gerir o grande número de imigrantes. Também vemos, claro, que entre os imigrantes havia, e possivelmente ainda há, gente que foi "atravessada" pelo "Estado Islâmico" (EI). Por isso devemos nos empenhar muito para identificá-los e prendê-los a tempo. Realizamos esse tipo de detenção recentemente. Isso mostra que a rede também é poderosa. Também se tem visto crimes de extrema direita em grande escala, mostrando a necessidade de iniciativas nessa área, também. Temos lidar com tudo isso ao mesmo tempo. Há dois anos o senhor é presidente do Departamento Federal de Investigações da Alemanha (BKA). Esse período foi marcado pelo terrorismo islâmico, primeiro nos países vizinhos e depois na Alemanha. O senhor mesmo falou de um "teste de resistência". Como o tem enfrentado? Logo que eu assumi, nós nos perguntamos como nos organizar a fim de estarmos preparados para os desafios do futuro: tínhamos que iniciar reformas organizacionais. Antes que esses grandes problemas começassem, conseguíamos lidar com os desafios usando as estruturas organizacionais de que dispúnhamos. Observando o todo, eu me dei conta de que tínhamos desafios gigantescos a enfrentar, nos anos seguintes. Precisamos aprimorar a cooperação internacional na Europa; colocar nossos sistemas de informação num outro padrão. E toda a rede policial tem que estar à frente dos acontecimentos e funcionar com eficiência, também no campo digital. Vamos ter que nos empenhar muito nisso. Nós recebemos um incrível volume de recursos, os quais teremos que implementar nos próximos anos, e ao mesmo tempo encarar esses projetos. No geral, é uma tarefa hercúlea. Vamos ter que arregaçar as mangas e pôr mãos à obra. O senhor mencionou o campo digital. A digitalização ilimitada da criminalidade é consequência da globalização? O crime no espaço cibernético, em particular, não tem limites. Os servidores das redes informáticas podem estar localizados em qualquer parte do mundo. Os mercados ilegais movimentam a localização dos servidores por todo o globo. É lá que perpetradores de diferentes países se reúnem. Isso significa que, ao investigar crimes nessa área, a pessoa está lidando com o crime internacional e precisa contar com a cooperação internacional. Já nos adaptamos a essa dinâmica, nos últimos anos. Temos é que intensificar o nosso trabalho e continuar a utilizar e expandir nossas plataformas de âmbito mundial, por exemplo, a Europol ou a Interpol. Como funciona a cooperação entre as autoridades policiais dos estados alemães e as europeias, no tocante ao intercâmbio de dados? Na Alemanha, nós temos uma coisa chamada sistema Inpol, que é padrão, e que usamos para identificar indivíduos univocamente. Ele também nos permite processar todos os dados coletados. O defeito é que esse sistema está obsoleto: não temos um só, mas sim 19 sistemas participantes – das agências de polícia estadual, do Departamento Federal de Investigações, da Polícia Federal e das autoridades aduaneiras. Cada estado possui seu próprio sistema, e se tivermos que fazer alterações com a frequência necessária no momento, as coisas levarão muito tempo. É por isso que precisamos de uma nova arquitetura, para manter o passo com as mudanças. Na Europa temos numerosos sistemas funcionando paralelamente, mas que não são mais compatíveis entre si. Temos o sistema informático Schengen – da perspectiva da polícia, o mais importante –, mas ele não fornece dados biométricos: não posso pesquisar impressões digitais nele. E é por esse motivo que na Europa precisamos construir os sistemas sobre um novo fundamento. Estamos trabalhando nisso agora. Uma das principais iniciativas será biometrizar o sistema Schengen, possibilitando retirar impressões digitais automaticamente. Mas também haverá outras iniciativas novas, por isso temos que nos adaptar às mudanças na Alemanha, e empregar um sistema mais flexível, rápido e fácil. Quanto tempo levará até o sistema informático Schengen ser biométrico? Não vai levar muito tempo. Há um projeto piloto, de que a Alemanha também participará, a se iniciar em 2017. Depois disso, outras mudanças se seguirão. A questão é como realizar buscas simultâneas em diversos sistemas. Isso quer dizer que a Alemanha vai ter que ajustar os seus, nos possibilitando fazer buscas automáticas. Exemplo de uma mudança que introduzimos são os dados foreign-fighter [combatente estrangeiro] – um banco de dados com os jihadistas que saíram do país para se reunir ao EI – que são automaticamente transferidos ao sistema europeu. Precisamos de um pouco mais de um ano e meio para fazer essa alteração na Alemanha, devido à necessidade de ajustar tantos sistemas. Mas não podemos nos dar ao luxo de gastar tanto tempo. Isso mostra que necessitamos de uma nova arquitetura, para acompanhar o rápido ritmo das mudanças na Europa.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos