1968: Dubcek eleito líder do Partido Comunista tcheco

Ralf Geißler (av)

Em 5 de janeiro de 1968, Alexander Dubcek é nomeado 1º Secretário do Partido Comunista tcheco. O reformista desperta em seus compatriotas a esperança de vencer a luta contra o autoritarismo do regime vigente.Nenhum comunista do Leste Europeu jamais alcançou tão rápido prestígio quanto Alexander Dubcek. Em 5 de janeiro de 1968, o Comitê Central dos comunistas tchecos o nomeou chefe do partido. Com a meta de democratizar o país, ele não tardou a abolir a censura e reduzir o poder do Serviço de Segurança do Estado. O historiador Michal Reimann lembra da sensação de poder expressar-se livremente, viajar, ler tudo o que se quisesse. E poucas semanas após a nomeação de Dubcek o povo o aclamava nas ruas, sem ter recebido ordens do Partido neste sentido. Intelectuais contra a censura Os tchecos estavam insatisfeitos com seu líder anterior, Anton Novotny. Em junho de 1967, os escritores já haviam se rebelado publicamente em Praga contra o então presidente e chefe do PC. Durante um congresso, eles leram uma carta do escritor russo Alexander Soljenitsin criticando a censura e a situação política. Em seguida, atacaram a posição oficial do partido em relação à guerra entre árabes e israelenses. O secretário do PC, Jiri Hendrych, ficou furioso, abandonando o congresso com insultos: "Agora vocês, escritores, estragaram tudo de vez!" Candidato de ortodoxos e reformistas A "desestalinização" da então Tchecoslováquia começara tarde demais e escapava agora ao controle do Partido Comunista. Vários intelectuais começaram a examinar criticamente o passado stalinista da nação. O Comitê Central de Novotny estava dividido: de um lado, os que queriam ceder à pressão dos intelectuais e exigiam mais garantias democráticas; do outro, os comunistas da linha dura. Ambos concordavam, no entanto, que o velho chefe de partido não solucionaria o conflito. Novotny deixou até de contar com o apoio de seus antigos amigos. Ao pedir ajuda a Moscou, a situação já estava complicada demais. Os russos tentaram salvar o político tcheco, mas sem muita convicção. Após muitas marchas e contramarchas, as duas facções do PC elegeram em 5 de janeiro o eslovaco Alexander Dubcek, de 47 anos, seu primeiro-secretário. Tanto pró-democratas como ortodoxos acreditavam poder influenciá-lo, vendo nele uma figura fácil de manipular. Mas o novo líder provou ser um eficiente reformista. Fim da Primavera de Praga Até que, oito meses mais tarde, as tropas do Pacto de Varsóvia invadiram a capital tcheca, dando fim à "Primavera de Praga". Dubcek permaneceu no cargo. Um ano após a entrada dos tanques, tchecos e eslovacos voltaram a bradar seu nome pelas ruas, mas desta vez o político de tendências democráticas os desapontaria totalmente. As manifestações foram reprimidas com violência e, na qualidade de presidente do Parlamento, Dubcek teve que assinar uma lei anti-Dubcek. Quer ele tenha agido sob a pressão da União Soviética, quer por ganância de poder, o fato é que os tchecos jamais perdoaram Alexander Dubcek. Depois de 1989, eles o acusaram de ter permanecido um comunista ortodoxo e de nunca ter conseguido um avanço real. Só para a Europa Ocidental, o promissor reformista permaneceu um herói, mesmo após sua morte, em março de 1992.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos