Líderes iranianos homenageiam Rafsanjani

Autoridades do país destacam papel de clérigo xiita na Revolução Islâmica de 1979 e sua atuação como político. Presidente Hassan Rohani decreta luto oficial de três dias.Líderes iranianos lamentaram nesta segunda-feira (09/01) a morte do ex-presidente do Irã Ali Akbar Hashemi Rafsanjani. O clérigo muçulmano xiita, que foi um dos principais líderes da Revolução Iraniana de 1979, morreu aos 82 anos neste domingo em Teerã em decorrência de um infarto. O líder supremo do Irã, Ali Khamenei, chamou Rafsanjani de companheiro de luta e amigo. "É difícil e dolorosa a falta do companheiro com quem a história de parceria foi de 59 anos", afirmou. Khamenei destacou a "grande inteligência e proximidade" com Rafsanjani durante a Revolução Islâmica de 1979. "Ele serviu como um apoio para todos os seus companheiros e principalmente para mim", acrescentou. O presidente iraniano, Hassan Rohani, também expressou dor pela morte de Rafsanjani e decretou luto oficial de três dias e feriado nesta terça-feira, dia do funeral. Rohani afirmou que "a alma do grande homem da revolução e da política, símbolo de paciência e resistência, ascendeu ao céu". O ministro do Exterior, Mohamad Javad Zarif, definiu Rafsanjani como "um grande cientista, um distinto ulemá, um guerreiro incansável e amigo de toda vida do imã Khomeini e do líder supremo [Khamenei]". Líder reformista Rafjansani foi presidente do parlamento de 1980 a 1989 e presidente do Irã entre 1989 e 1997. Ao morrer, ele ocupava o cargo de presidente do Conselho de Discernimento, a alta instância política do país responsável por mediar e resolver conflitos entre o parlamento e o Conselho dos Guardiões. A presidência de Rafjansani foi marcada por denúncias de violação de direitos humanos. Em 1994, ele apareceu numa lista feita por promotores argentinos de suspeitos de ligação com um ataque a um centro judeu em Buenos Aires, que matou 85 pessoas. Segundo a revista Forbes, ele era um dos homens mais ricos do país. Rafjansani também teve um papel relevante para a assinatura do recente acordo nuclear iraniano. O jornal The New York Times classificou a morte dele de um golpe para o movimento reformista iraniano. Rafjansani teve um papel importante para manter políticos linha-dura afastados do comando do país. KG/efe/rtr/ap

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos