Taipei denuncia presença militar chinesa no Estreito de Taiwan

Manobra nas águas que separam o país insular da China continental acirra tensões entre os dois lados. Governo de Taiwan diz que suas forças acompanham de perto a situação e pede calma à população.O governo taiwanês denunciou nesta quarta-feira (11/01) que a China enviou uma frota naval,liderada por um porta-aviões, ao Estreito de Taiwan, que separa o país insular da China continental, acirrando as tensões entre Pequim e Taipei. As autoridades de Taiwan pediram que a população mantenha a calma, informando que aviões e navios militares monitoram a movimentação dos navios chineses. Caças F-16 e a sistemas militares de vigilância do Japão acompanham de perto a situação. "Nossas forças militares monitoram a situação e agirão se necessário", afirmou o Ministério da Defesa do país em comunicado. "Quero ressaltar que nosso governo tem capacidade suficiente de proteger nossa segurança nacional. Não é necessário entrar em pânico", afirmou o ministro do Conselho de Assuntos Continentais de Taiwan, Chang Hsiao-yueh. Ele avalia que 2017 será um ano difícil para as relações sino-taiwanesas e destacou que "ameaças não vão beneficiar os laços entre os dois lados do Estreito". Poderio militar O porta-aviões Liaoning, o único que a China possui, retornava do Mar da China Meridional. A embarcação foi enviada no mês passado para uma visita ao território disputado entre Pequim e seus vizinhos na região, localizado numa das principais rotas do comércio marítimo mundial. O Ministério da Defesa de Taiwan afirma que a frota chinesa não invadiu as águas territoriais do país, mas entrou numa zona de identificação de seu espaço aéreo ao navegar numa linha que divide o Estreito de Taiwan entre territórios de Pequim e Taipei. Analistas afirmam que a manobra seria uma manifestação da intenção de Pequim de assegurar seu domínio sobre a região, se necessário, utilizando força militar. Encomendado pela China em 2012, o Liaoning foi construído a partir da estrutura de um porta-aviões soviético, se tornando símbolo da sofisticação e do poderio militar do país. Desde a cisão entre Pequim e Taipei em 1949, a relação entre os dois lados é caracterizada por uma trégua instável. Os laços se deterioraram ainda mais após a eleição da presidente pró-independência Tsai Ing-wen, em maio de 2016. A China alertou sobre os riscos de acirramento das tensões caso o novo governo questione a soberania chinesa sobre Taiwan. RC/rtr/ap/afp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos