Disputa socialista pela presidência da França se acirra

Arnaud Montebourg, ex-ministro da Economia, foi considerado vencedor do primeiro debate entre os pré-candidatos à presidência da França pelo Partido Socialista. Ex-premiê Manuel Valls se manteve na defensiva.O primeiro debate dos seis pré-candidatos do Partido Socialista à presidência da França nesta quinta-feira (13/01) abriu a fase mais quente da corrida pelo Palácio do Eliseu. O ex-ministro da Economia, Arnaud Montebourg, considerado o vencedor da noite, adotou postura critica em relação à presidência de François Hollande e à União Europeia. O ex-primeiro-ministro Manuel Valls, por sua vez, defendeu as medidas tomadas pelo governo nos últimos anos. Montebourg, de 54 anos, reivindicou a revisão do pacto de estabilidade europeu, criticando a regulamentação central do acordo que estabelece que os Estados-membros devem manter seus déficits orçamentários abaixo de 3% do Produto Interno Bruto (PIB). Afirmando ser esta uma "regra absurda", o ex-ministro sustentou que o país assumir atitude de maior confrontação em relação a Bruxelas. Há anos em déficit, a França deverá manter o limite de 3% em 2017. Manuel Valls foi alvo de ataques dos demais pré-candidatos ao defender a linha econômica de Hollande. Tanto no aspecto econômico – onde ressaltou a necessidade de continuar no rumo atual – quanto na luta contra o terrorismo e na política internacional, Valls defendeu as medidas do governo, que deixou há pouco mais de um mês para entrar na corrida pela nomeação por seu partido. O ex-premiê, considerado um dos favoritos na corrida presidencial francesa, defendeu a reforma trabalhista, a última grande medida do governo de Hollande, contra seus adversários, segundo os quais as novas leis enfraquecem a posição dos trabalhadores frente aos empresários. Valls argumentou que as medidas evitam o fechamento de empresas, assim preservando postos de trabalho. O atual índice de desemprego na França gira em torno de 10%. "Estamos em guerra" Valls defendeu também as medidas excepcionais tomadas no combate ao terrorismo, com a extensão até julho do estado de emergência no país. "Estamos em guerra", afirmou, dizendo-se orgulhoso das ações do governo nos últimos anos. Montebourg rebateu que o balanço da atual presidência é "difícil de defender". O ex-ministro da Educação Arnaud Hamon afirmou que o fim do governo de Hollande deixa um sentimento de um projeto inacabado. Ele também criticou a continuidade do estado de emergência no país. Uma pesquisa-relâmpago divulgada pelo instituto Elabe logo após o debate revelou que, para 29% dos espectadores, Montebourg foi o vencedor. Manuel Valls ficou em segundo lugar (26%), seguido de Hamon (20%). Os socialistas vão eleger seu candidato à presidência no fim de janeiro, em eleição aberta. O partido governista corre risco de uma derrota amarga nas urnas, o que dá à campanha pré-eleitoral um ímpeto ainda maior. Os demais candidatos são o ex-ministro da Educação Vincent Peillon, o ecologista François de Rouigi, o democrata Jean-Luc Bennahmias e Sylvia Pinel, da ala mais à esquerda do partido. O conservador François Fillon, do Partido Republicano, é considerado o favorito para vencer as eleições. Contudo a perspectiva de uma esmagadora vitória conservadora pode ser ofuscada pela candidatura da populista de direita Marie Le Pen, da Frente Nacional (FN). RC/afp/dpa/efe

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos