Protestos marcam posse de Donald Trump

Manifestações ocorrem em vários locais de Washington durante a cerimônia. Maioria é pacífica, mas confrontos entre polícia e manifestantes ocorrem no centro da capital.A polícia de Washington entrou em confronto com manifestantes que protestavam nesta sexta-feira (20/01) contra o novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pouco antes do início da sua cerimônia de posse no cargo, no Capitólio. Cerca de 500 manifestantes marcharam no centro na capital americana e quebraram carros, vitrines de lojas e janelas de bancos. "Deixar os racistas com medo novamente", dizia um cartaz do grupo, que destruiu lixeiras e pontos de venda de jornais. A polícia respondeu com spray de pimenta e granadas de efeito moral. Várias pessoas foram presas, e há registro de pelo menos um ferido. Nas proximidades da Casa Branca, um grupo entrou em confronto com a polícia ao depredar a área externa de um café. Um motociclista que estava na cidade para celebrar a posse de Trump foi atingido por uma cadeira quando tentou intervir na situação. Diversos protestos contra Trump foram registrados em várias regiões da cidade. A maioria das manifestações e marchas transcorreu pacificamente. As ações foram organizadas por vários grupos que se opõem ao novo presidente, incluindo pacifistas, pró-imigrantes, feministas e contra o racismo. "A mensagem que quero mandar a Trump é que ele não representa este país. Ele representa interesses corporativos", disse Jessica Reznicek, que participou de uma marcha. Manifestantes disseram ainda ter medo de que o republicano seja um presidente extremista e retroceda com os avanços sociais conquistados durante o governo do presidente Barack Obama, além de endurecer a política migratória. Pouco antes, um grupo de manifestante bloqueou pontos de acesso para acompanhar a cerimônia de posse. A polícia foi chamada para remover o grupo. Algumas pessoas foram detidas. Outro manifestação reuniu centenas de pessoas nas imediações da praça Dupont, em defesa da legalização da maconha. Milhares de cigarros de maconha foram distribuídos gratuitamente. A convocação, organizada pelo grupo DCMJ, que impulsiona a legalização da maconha na capital americana, procurou alertar contra um possível retrocesso no processo de liberalização do consumo da droga nos Estados Unidos. Entre os participantes, a grande maioria era contrária a Trump. CN/ap/rtr/afp/efe

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos