Por decreto, Trump ordena construção de muro

Presidente afirma que México arcará com 100% dos custos de barreira na fronteira, que deve ser erguida nos próximos meses. Republicano também quer reduzir repasses federais para cidades que protegem imigrantes ilegais.Cumprindo promessas de campanha, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou duas ordens executivas nesta quarta-feira (25/01), relativas à construção de um muro na fronteira com o México e a medidas anti-imigração. Trump assinou as ordens em cerimônia nas instalações do Departamento de Segurança Nacional, cujo novo titular, o general reformado John Kelly, foi confirmado pelo Senado na sexta-feira passada. Além de acelerar a construção do muro, os documentos firmados preveem a redução de repasses federais para as chamadas cidades-santuário, que não detêm imigrantes ilegais nos EUA. Em cidades com São Francisco, autoridades locais, frequentemente democratas, se recusam a cooperar com o governo federal para agir contra imigrantes ilegais. "O povo americano não vai mais ser forçado a subsidiar essa negligência em relação a nossas leis", disse o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer. A mão dura com a imigração foi uma das promessas da campanha eleitoral de Trump, que superou a democrata Hillary Clinton. Além do muro nos cerca de 3,2 mil quilômetros de fronteira com o México, Trump prometeu deportar 11 milhões de imigrantes ilegais que vivem no país. Em entrevista à emissora ABC News nesta quarta-feira, Trump afirmou que a construção do muro terá início nos próximos meses, e que o México restituirá "100% dos custos" aos EUA. "Construir essa barreira [o muro] é mais do que uma promessa de campanha. É senso comum que se trata de um primeiro passo para realmente garantir a segurança de nossa porosa fronteira", disse Spicer antes da assinatura das medidas. "Isso vai barrar o fluxo de drogas, crime, imigração ilegal para os Estados Unidos." Também espera-se que Trump assine nos próximos dias decretos que reduzem o número de refugiados que ganham o direito de se instalar no país e proíbem a entrada, ao menos temporariamente, de imigrantes de "nações propensas ao terrorismo". A emissora CNN afirmou que os países afetados pela proibição de entrada são Síria, Líbia, Somália, Irã, Iraque e Sudão. Desde que assumiu a presidência, na última sexta-feira, Trump já assinou outras ordens executivas controversas, cumprindo promessas de campanha. Entre elas estão a retirada dos EUA da Parceria Transpacífico (TPP, na sigla em inglês), que prometia ser o maior acordo comercial da história, e a retomada de dois controversos projetos de oleodutos. LPF/rtr/ap

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos