May pede que EUA tenham cautela com Putin

Antes de encontro com Trump, premiê britânica reconhece necessidade de trabalhar junto à Rússia, mas diz que aproximação deve ser feita com cuidado. Líder destaca responsabilidade americana no cenário internacional.A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, classificou nesta quinta-feira (26/01) o novo presidente dos EUA, Donald Trump, de amigo e aliado, mas o alertou para que não vire as costas para instituições globais e valores políticos de longa data. Ela também pediu cautela em relação ao presidente russo, Vladimir Putin. Em sua primeira visita aos Estados Unidos como premiê, May disse que o início do mandato de Trump é uma "nova era de renovação americana". Ela voou para a Filadélfia um dia antes de se reunir com Trump na Casa Branca. Este será o primeiro encontro do presidente americano com um líder estrangeiro desde que assumiu o cargo, na última sexta-feira. A primeira-ministra britânica reconheceu a necessidade de se trabalhar junto à Rússia para encerrar a guerra na Síria, mas afirmou que a aproximação entre o Ocidente e o presidente russo, Vladimir Putin, deve ser "engajada, mas cautelosa", recebendo aplausos de legisladores republicanos. May também falou sobre a "influência maligna" do Irã, mas elogiou o acordo internacional que limitou o programa nuclear do país. Ela reconheceu os temores em relação à ascensão da China, afirmando, porém, que o crescimento de economias asiáticas é "enormemente bem-vindo". O medo de um "eclipse do Ocidente" não vai se materializar se os EUA e o Reino Unido se unirem, disse. "Liderar juntos" Ao discursar para legisladores do Partido Republicano, May reiterou que os EUA e o Reino Unido têm uma "relação especial". Ela afirmou que com a saída dos britânicos da União Europeia (UE), ambos os países podem "liderar juntos novamente" no mundo, assim como fizeram ao estabelecer a ONU, a Otan e outras organizações internacionais. Apesar de reconhecer a necessidade de reformas nessas instituições, criticadas por Trump, May afirmou que elas são vitais para encorajar a cooperação em relação a ameaças globais, como o terrorismo e as mudanças climáticas. "Nós, nossos dois países juntos, temos uma responsabilidade conjunta de liderar. Porque quando alguns avançam no momento em que recuamos, isso é ruim para os EUA, para o Reino Unido e para o mundo", declarou. May deve aproveitar a visita aos Estados Unidos para dar início a negociações sobre um acordo de livre-comércio entre os dois países, de olho no período pós-Brexit. A saída da UE deve significar que o Reino Unido também abrirá mão do mercado comum europeu e de seus 500 milhões de consumidores. A premiê britânica elogiou ainda a dedicação de Trump à luta contra o extremismo islâmico, mas rejeitou a proposta do presidente de banir imigrantes muçulmanos, classificando a ideia de "divisiva, estúpida e equivocada". "Deveríamos sempre ser cautelosos para distinguir entre essa ideologia extrema e repleta de ódio e a pacífica religião do islã", disse. Durante o voo rumo aos EUA, May também condenou o uso de tortura, defendida na véspera por Trump para combater o terrorismo. LPF/ap/afp/efe

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos