PUBLICIDADE
Topo

ONU pede que Trump acolha refugiados

28/01/2017 11h55

Duas agências da ONU pedem a EUA que continuem a ajudar pessoas fugindo da guerra e perseguição. Em Paris, ministro do Exterior alemão diz que "amar o próximo" formou parte das tradições cristãs americanas.Neste sábado (28/01), duas agências de migração das Nações Unidas instaram o governo do presidente americano, Donald Trump, a continuar concedendo asilo a pessoas vulneráveis."As necessidades dos refugiados e migrantes em todo o mundo nunca foram maiores e o programa de realocação dos EUA é um dos mais importantes do mundo", disse uma declaração conjunta da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) e da Organização Internacional para as Migrações (OIM).O pedido veio um dia depois de o presidente Trump assinar uma ordem executiva que endurece medidas de verificação de migrantes com o objetivo de evitar a entrada de terroristas islâmicos no país.Prioridade para cristãosA ordem assinada por Trump na sexta-feira bloqueou imediatamente o acesso aos EUA para todos os refugiados provenientes da Síria, onde a guerra civil já provocou a morte de centenas de milhares de pessoas. Ele também impôs uma proibição de entrada de 90 dias para cidadãos de sete países de maioria muçulmana.Os EUA podem admitir refugiados caso a caso durante esse período, enquanto aqueles que alegam perseguição religiosa podem continuar a ter seus pedidos de asilo processados se "a religião do indivíduo é uma religião minoritária em seu país."Ao mesmo tempo, Trump declarou à emissora CBN News que cristãos iriam receber prioridade ao solicitar o status de refugiado. Trump justificou as medidas como necessárias para impedir que os "terroristas islâmicos radicais" entrem nos EUA.Preocupações europeiasNeste sábado, em coletiva de imprensa em Paris, o ministro do Exterior francês, Jean-Marc Ayrault, e seu colega de pasta alemão, Sigmar Gabriel, expressaram as suas preocupações diante da decisão de Trump de limitar a imigração e refugiados.A medida "só pode nos preocupar", declarou Ayrault. "Receber pessoas que fogem da guerra e da opressão é parte de nossa tarefa", acrescentou o ministro francês.Gabriel apontou, por sua vez, que "amar o próximo" formou parte das tradições cristãs americanas.No ano passado, os EUA acolheram 84.995 refugiados. Para este ano, o presidente Barack Obama estabaleceu o limite de refugiados em 110 mil. A ordem executiva de Donald Trump procurar cortar esse número para 50 milCA/ap/rtr/dw