Cármen Lúcia homologa delações da Odebrecht

Presidente do STF, que assumiu responsabilidade de avaliar depoimentos após a morte do relator Teori Zavaski, torna juridicamente válidas delações de 77 executivos e ex-funcionários do grupo.A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, homologou nesta segunda-feira (30/01) delações de 77 executivos e ex-executivos da Odebrecht sobre o esquema de corrupção na Petrobras investigado pela Operação Lava Jato. Com a homologação, os mais de 800 depoimentos prestados se tornam válidos juridicamente, ou seja, podem ser utilizados como prova. A Procuradoria Geral da República (PGR) pode usá-los como base para mandados de busca e abertura de inquéritos, por exemplo. O STF deve manter sigilo sobre o conteúdo das delações até que sejam feitas denúncias. Os acordos assinados no início de dezembro do ano passado incluem depoimentos do ex-presidente do grupo Marcelo Odebrecht. Cármen Lúcia assumiu a homologação das delações depois da morte do ministro Teori Zavaski, que era o relator da Lava Jato na Corte. Ele foi vítima de um acidente aéreo em Paraty, no Rio de Janeiro, no dia 19 de janeiro. O novo relator do processo ainda não foi nomeado. Apesar de o recesso do Judiciário acabar apenas nesta terça-feira, Cármen Lúcia homologou os documentos com base num pedido de urgência feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. KG/abr/ots

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos