EUA cancelaram quase 60 mil vistos após veto de Trump, diz governo

Número divulgado pelo Departamento de Estado contradiz declarações de um procurador do Departamento de Justiça. Em audiência, ele afirmou que 100 mil pessoas tiveram seus vistos cancelados após decreto anti-imigração

O Departamento de Estado americano revelou nesta sexta-feira (03/02) que quase 60 mil cidadãos de sete países de maioria muçulmana tiveram seus vistos cancelados e foram impedidos de viajar aos Estados Unidos após o veto imposto pelo presidente Donald Trump há uma semana.

O dado contradiz declarações de um procurador do Departamento de Justiça americano, divulgadas mais cedo pela imprensa local, que falavam em 100 mil vistos revogados. O número foi mencionado durante uma audiência com representantes de dois irmãos iemenitas que chegaram no sábado passado ao aeroporto de Dulles, perto de Washington, e foram enviados de volta para a Etiópia.

Durante a audiência, o juiz Leonie Brinkema perguntou ao procurador Erez Reuveni, do escritório de litígio de imigração do Departamento de Justiça, quantas pessoas foram afetadas pelo veto de Trump. Reuveni respondeu que o número de casos envolvendo residentes permanentes nos EUA era baixo, mas, ao considerar todos os vistos incluídos no decreto, "mais de 100 mil tinham sido revogados".

O advogado Simon Sandoval-Moshenberg, da organização Legal Aid Justice Center, que representa os irmãos iemenitas, disse ao jornal Washington Post que todos na corte ficaram surpreendidos com a revelação. "O número 100 mil tirou todo o ar dos meus pulmões", afirmou Sandoval-Moshenberg.

O governo logo rebateu as informações, afirmando que os vistos revogados não passavam de 60 mil. "Para efeito de comparação, emitimos 11 milhões de vistos de imigrantes e não imigrantes no ano fiscal de 2015", afirmou William Cocks, porta-voz do escritório de assuntos consulares do Departamento de Estado, insistindo que a segurança nacional é "prioridade máxima" durante a emissão de vistos.

Na sexta-feira passada, Trump decidiu suspender por pelo menos 120 dias a entrada de refugiados em território americano e por tempo indefinido o acesso de todos os migrantes provenientes da Síria. O decreto também impôs uma proibição de entrada nos EUA durante 90 dias de qualquer cidadão de sete países de maioria muçulmana: Iraque, Irã, Iêmen, Líbia, Somália e Sudão, além da Síria.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos