Em uma semana, Espírito Santo tem mais de 130 mortos

Em visita a Vitória, ministro da Defesa diz que tropas federais ficarão pelo tempo que for necessário no estado, que enfrenta paralisação de policiais militares e onda de violência.Uma semana após o início da paralisação da Polícia Militar no Espírito Santo, o número de homicídios chegou a 137 no estado, segundo dados do Sindicato dos Policiais Civis (Sindipol/ES) divulgados neste sábado (11/02). Enquanto os policiais militares não voltam às ruas, mesmo depois de um acordo entre associações de PMs e o governo estadual, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que as tropas federais ficarão no estado pelo tempo que for necessário, até que o policiamento seja restabelecido. "A determinação do presidente da República é de envolver os recursos necessários e o tempo necessário até a retomada da normalidade. Podem ter certeza: não vamos vacilar", afirmou Jungmann em pronunciamento no 38º Batalhão de Infantaria, em Vila Velha, na região metropolitana de Vitória. Ele afirmou, ainda, que cabe ao governo do estado a coordenação das ações em relação à Polícia Militar: "Nós vamos dar apoio às decisões do governo, de forma inflexível e determinada. Não se pode aceitar que reivindicações coloquem em risco a sociedade." De acordo com Jungmann, 3.130 homens estão no estado e, desses, 300 são da Força Nacional. Estão sendo empregados também mais de 180 veículos, três helicópteros e sete veículos blindados. "Já temos um policiamento que é superior ao que era registrado em dias normais. Isso tem feito com que, desde que as forças chegaram, não aconteçam mais saques e arrombamentos", frisou o ministro. "Houve, ainda, uma redução extraordinária de homicídios, que ainda ocorrem acima da média, mas que já tiveram uma queda vertical." Apesar do acordo fechado na noite de sexta-feira entre o governo estadual e as associações que representam os policiais militares capixabas para suspender a paralisação às 7 horas da manhã deste sábado, as mulheres dos agentes seguem acampadas na frente de batalhões na capital, Vitória, e impedem a saída das viaturas. Elas afirmam que não vão recuar do ato por melhores salários e permanecem em frente aos quartéis bloqueando a saída dos policiais. FC/abr/ots

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos