AfD decide expulsar líder regional após críticas à memória do Holocausto

Após declarações polêmicas criticando a forma como os alemães lembram seu passado nazista, líder do partido anti-imigração Alternativa para a Alemanha (AfD) na Turíngia foi banido permanentemente da legenda.A liderança nacional do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) decidiu expulsar o líder da legenda no estado da Turíngia, Björn Höcke, após declarações polêmicas feitas por ele sobre a cultura da memória do Holocausto no país. As declarações inflamatórias de Höcke costumam ganhar destaque na imprensa alemã, mas comentários feitos por ele em janeiro, criticando o hábito de relembrar as vítimas do nazismo, geraram controvérsias até mesmo entre os membros de seu próprio partido. Durante um comício em janeiro, voltado para a organização juvenil da AfD na cidade alemã de Dresden, Björn Höcke chamou o famoso Memorial aos Judeus Mortos da Europa, situado no centro de Berlim, de um "monumento da vergonha". "Essa política estúpida de nos confrontar com o passado nos deixa paralisados – precisamos de uma guinada de 180 graus", afirmou. Mais tarde, Höcke tentou minimizar parcialmente sua declaração, afirmando que quis dizer apenas que a Alemanha está atolada em sua própria vergonha. Líderes regionais e nacionais da AfD tentaram se distanciar da controvérsia. A presidente nacional da sigla, Frauke Petry, chegou a afirma que Höcke era um "fardo para o partido" em razão de seus "atos isolados não autorizados". A expulsão de Höcke em caráter permanente foi decidida pelos líderes do partido em conferência telefônica na manhã desta segunda-feira. Um porta-voz da AfD disse que foi realizada uma "avaliação legal e análise política" sobre as declarações e ficou decidido que ele não deve mais representar a legenda populista. Agora, caberá a um comitê de arbitragem da AfD na Turíngia julgar a decisão dos líderes. "Essa é a conclusão de um processo que já corre há algum tempo" disse Petry, afirmando que o discurso de Höcke ultrapassou os limites da tolerância democrática. "Acreditamos que esta medida foi necessária porque, num ano eleitoral tão importante, o partido deve permanecer unido", observou. Desde sua fundação como um partido eurocético em 2013, a AfD vem conquistando maior êxito político após voltar seu programa para temas nacionalistas e anti-imigração. Em 2016, a sigla acrescentou em seu manifesto uma passagem que declara que "o Islã não tem lugar na Alemanha". RC/afp/dpa/ap

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos