Campanha de Trump manteve contatos frequentes com russos

"New York Times" revela que consultas com inteligência da Rússia eram frequentes durante o ano que antecedeu a vitória eleitoral do republicano. Ligações coincidem com momento em que magnata começou a elogiar Putin.Membros da campanha eleitoral do hoje presidente Donald Trump mantiveram contatos frequentes com altos funcionários da inteligência russa ao longo do ano que antecedeu a eleição americana, revela em reportagem nesta terça-feira (14/02) o jornal The New York Times. A revelação, feita com base em registros telefônicos e em ligações interceptadas, chega ao público um dia após a renúncia do assessor de Segurança Nacional Michael Flynn, que mentiu à Casa Branca sobre conversas que manteve com o embaixador russo em Washington. O NYT diz que, segundo quatro fontes familiarizadas com as investigações, as comunicações entre a Rússia e a campanha de Trump foram interceptadas em atividades de rotina dos serviços de inteligência que monitoram cidadãos e autoridades russas conhecidas das agências americanas Segundo o jornal, agências de segurança e inteligência interceptaram as comunicações na mesma época em que descobriram provas de que a Rússia tentava sabotar as eleições presidenciais através de ciberataques ao Comitê Nacional do Partido Democrata. Antes da posse do novo governo, o então presidente Barack Obama foi informado das comunicações entre supostos membros da inteligência russa e membros da campanha e funcionários das empresas Trump. As agências americanas ficaram alarmadas com a quantidade de contatos ocorridos na mesma época em que Trump se pronunciava favoravelmente ao presidente russo, Vladimir Putin. O conteúdo das ligações, porém, não foi revelado pela reportagem. As conversas gravadas não têm associação com os telefonemas de Flynn, nos quais ele teria discutido com o embaixador russo as sanções impostas pelo governo Obama em reação à suposta interferência russa nas eleições. O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, afirmou nesta terça-feira que o presidente sabia há semanas que Flynn tinha mentido para o governo, especialmente para o vice-presidente Mike Pence, mas não tomou nenhuma atitude imediatamente. Investigação independente Enquanto aumentam os pedidos por uma investigação independente sobre a controvérsia envolvendo Michael Flynn, a Casa Branca informou que semanas de investigações internas não haviam encontrado evidências de má conduta, mas que o episódio acabou comprometendo a confiança nele, motivo pelo qual o governo pediu sua renúncia. Inicialmente, o governo tentou dar a impressão de que a decisão de remover Flynn se baseava no fato de que ele tinha mentido para o vice-presidente. No dia seguinte, porém, foi revelado que Pence, que havia publicamente defendido Flynn, foi informado sobre a situação apenas na última quinta-feira. Republicanos e democratas no Congresso pedem que o caso seja investigado, ainda que haja divergências sobre o alcance das investigações. Os democratas insistem que o presidente deve prestar esclarecimentos, enquanto os republicanos querem manter o foco em Flynn. O líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, afirmou ser "altamente provável" que o ex-assessor tenha que testemunhar perante um comitê de inteligência do Congresso. RC/afp/rtr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos