Trump retoma tom de campanha em comício na Flórida

Presidente reitera que apresentará nova ordem executiva sobre migrantes e refugiados, e cita Europa como exemplo de política equivocada. Ele voltou a atacar a imprensa, dizendo que ela é "parte do sistema corrupto$escape.getQuote().O presidente dos EUA, Donald Trump, confirmou neste sábado (18/02) na Flórida que na próxima semana apresentará uma nova ordem executiva sobre imigrantes e refugiados, e que iniciará "em breve" a construção de um muro ao longo da fronteira com o México. Em um comício com tom muito semelhante aos que fez durante a campanha eleitoral, Trump falou para cerca de 9 mil simpatizantes em um hangar do aeroporto internacional de Orlando Melbourne. Ele também criticou a ordem de um juiz federal que suspendeu a ordem executiva assinada em janeiro. "Nós não vamos desistir. Vamos fazer algo nesta semana com o que eu acho que vão ficar impressionados. Temos que manter nosso país seguro", afirmou, depois de anunciar que na próxima semana assinará uma nova ordem executiva sobre este tema. O evento ocorreu no dia em que uma nova pesquisa, do Instituto Gallup, aponta que Trump, depois de um mês na Casa Branca, tem apenas 40% de aprovação popular, sendo este o menor índice da história para um presidente com esse tempo no cargo. No primeiro mês do mandato de Obama, em 2009, o ex-presidente tinha 64% de aprovação. Em relação à imigração, ele voltou a citar a Europa como exemplo de uma política de segurança equivocada. Para ele, o grande fluxo de refugiados, principalmente de países muçulmanos, levou ao caos e no aumento de ataques terroristas. "Olhe para a Alemanha, olhe para a Suécia. Olhe para o que aconteceu em Nice e Bruxelas", frisou. O veto migratório imposto por Trump em 27 de janeiro foi bloqueado pela Justiça americana, que o considerou inconstitucional. O decreto proibía a entrada de cidadãos de sete países de origem muçulmana por 90 dias e de refugiados por 120 dias. Para sírios, o período era indeterminado. No palco, o líder americano defendeu a necessidade da medida, e leu até mesmo parte do decreto para explicar que sua motivação se baseou na "proteção e segurança" dos EUA. Trump critica mais uma vez a imprensa No mesmo discurso, Trump afirmou que "a Casa Branca está funcionando perfeitamente" e, logo em seguida, voltou a atacar os veículos de comunicação, prometendo continuar ganhando deles como fez nas primárias e nas eleições presidenciais. "Apesar de todas suas mentiras, de suas tergiversações e suas falsas histórias, não puderam nos derrotar nas primárias e não puderam nos derrotar nas eleições", disse Trump. "E continuaremos expondo-os pelo que são. E, mais importante, continuaremos ganhando, ganhando e ganhando." Ele começou seu discurso com uma longa lista de críticas à imprensa após publicar na sexta-feira, em seu Twitter, que "os veículos de imprensa com notícias falsas", entre eles o jornal The New York Times e a emissora de televisão CNN, são "o inimigo do povo americano". "Quero falar com vocês sem o filtro das notícias falsas. A mídia desonesta, que publicou uma história falsa atrás da outra, sem fontes... eles simplesmente não querem informar a verdade", disse. "A imprensa se tornou grande parte do problema. Eles são parte do sistema corrupto". Ele acrescentou, ainda, que "Thomas Jefferson, Andrew Jackson e Abraham Lincoln, e muitos de nossos maiores presidentes lutaram contra os veículos de imprensa e lhes chamaram a atenção frequentemente sobre suas mentiras". Pouco antes do comício, vazou um trecho de uma entrevista na qual o senador e ex-candidato presidencial republicano John McCain afirmou que "os ditadores começam reprimindo a imprensa", em reação à polêmica mensagem no Twitter de Trump. Projeto de substituição ao "Obamacare" em duas semanas Ele aproveitou o comício também para afirmar que apresentará em duas semanas a substituição de lei de saúde assinada em 2010 pelo ex-presidente Barack Obama, conhecida popularmente como "Obamacare". Trump reiterou que a reforma da saúde implementada por Obama será "revogada e substituída". "Nosso plano será muito melhor e com um custo mais baixo. Nada sobre o que se queixar", afirmou, insistindo que o "Obamacare" é um "desastre". No dia 5 de fevereiro, Trump sugeriu que substituir a lei de saúde de 2010, uma de suas grandes promessas de campanha, será mais "complicado" que a reforma tributária e poderia se prolongar até 2018. Por enquanto, os republicanos que controlam o Congresso não entraram em acordo em um plano para substituir a reforma da saúde de Obama, que deu cobertura a cerca de 20 milhões de pessoas no país. FC/efe/lusa/afp/dw

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos