Boca de urna aponta partido do premiê à frente na Holanda

Pesquisas indicam que holandeses frearam o populismo de direita, em eleição tida como termômetro do sentimento nacionalista na Europa. Legenda de Mark Rutte teria 12 cadeiras a mais no Parlamento que a de Geert Wilders.As primeiras pesquisas de boca de urna indicam nesta quarta-feira (15/03) que o Partido Popular para a Liberdade e Democracia (VVD), do primeiro-ministro Mark Rutte, terá o maior número de cadeiras no Parlamento da Holanda – não suficiente para formar governo sozinho, porém à frente dos populistas de direita. Segundo as sondagens divulgadas com o fechamento das urnas, os liberais deverão conquistar 31 dos 150 assentos. Eles seriam seguidos pelo populista de direita Partido para a Liberdade (PVV), de Geert Wilders, os cristãos-democratas, e o partido democrático D66, cada um com 19 parlamentares. Leia também: Na Holanda, a vitória já é do populismo Leia também: Economia é mais do que tulipas e queijos A boca de urna confirma os indícios de que não haveria um vencedor claro nas eleições holandesas: dez partidos aparecem com chances reais de conquistar uma vaga no Parlamento, apenas um, justamente o de Rutte, deve obter mais que 20% do total de votos. O partido que mais cresceu no pleito, segundo a boca de urna, é a Esquerda Verde (GL), que obteve 16 cadeiras no total. Antes, o grupo contava com apenas quatro deputados no Parlamento. O Partido do Trabalho (PvdA), que está na atual coalizão de governo, sofreu uma dura derrota eleitoral e caiu de 38 para apenas nove parlamentares. As sondagens eleitorais indicam que serão necessários pelo menos quatro partidos para formar uma coalizão de governo. Um é descartado desde o início, já que ninguém quer formar uma aliança com Wilders. Esse cenário indica que as negociações deverão ser demoradas, o que é tradição na Holanda. As eleições holandesas são acompanhadas com atenção na Europa – como um teste do sentimento nacionalista e do crescente populismo em ano de eleições igualmente importantes na França e na Alemanha, maiores economias da União Europeia. A França escolhe seu próximo presidente em abril, e a populista de direita Marine Le Pen deve estar no segundo turno, marcado para maio. Em setembro, vão às urnas os alemães, e o partido de eurocético Alternativa para a Alemanha, que atacou a política migratória de Angela Merkel, pode conquistar suas primeira cadeiras no Parlamento. Durante a campanha, a Holanda viu as ideias antimigratórias e eurocéticas de Wilders ganharem terreno – e muitas vezes pautarem o debate político. Porém, o candidato, que chegou a ser comparado a Donald Trump, perdeu força nas vésperas das eleições. Já Rutte enfrentou nos últimos dias uma batalha diplomática com a Turquia, após o cancelamento de comícios políticos turcos no fim de semana. Crise com a Turquia O imbróglio com a Turquia pode acabar sendo vantajoso para o primeiro-ministro holandês, já que deu a ele a oportunidade de se apresentar, às vésperas das eleições parlamentares, como um chefe de governo de pulso firme. "Traçamos uma linha vermelha", afirmou, referindo-se à proibição de dois ministros turcos de fazerem comícios na Holanda. Rutte também argumentou que 400 mil cidadãos de ascendência turca que vivem no país são "holandeses e não turcos", como o governo em Ancara gosta de destacar. Ele também disse que está tentando acalmar os ânimos e que falou oito vezes ao telefone com o primeiro-ministro da Turquia, Binali Yildirim. Um ponto Rutte fez questão de ressaltar: "Não nos deixamos chantagear". Na prática, o primeiro-ministro teve a oportunidade de deixar claro quem manda no país, e isso pode ter dado um novo impulso ao seu partido, o liberal Partido Popular para a Liberdade e Democracia (VVD). Wilders em queda O principal adversário de Rutte, o populista de direita Geert Wilders, pode ter se dado mal com sua estratégia de campanha. No fim do mês passado, ele começou a cair nas pesquisas eleitorais. À parte uma curta exibição pública em fevereiro, quando deu algumas declarações à imprensa e logo sumiu, acompanhado de seus guarda-costas, para dentro de um carro, Wilders fez campanha apenas pelo Twitter. Nos últimos dias de campanha, porém, ele mudou radicalmente de estratégia. Ele apareceu mais em público e decidiu participar de um debate eleitoral contra Rutte na noite desta segunda-feira. Wilders foi também um dos primeiros a tirar proveito do imbróglio com a Turquia. Só que Rutte, como primeiro-ministro, levou vantagem, já que não precisa se limitar a xingar e pode também fazer algo. Sucesso mesmo Wilders faz entre a imprensa internacional. Centenas de matérias foram escritas sobre ele, seu passado obscuro, suas fontes financeiras duvidosas, sua crescente radicalização e seu cabelo louro penteado para trás. Guardian, Le Monde, Wall Street Journal: todos o apresentaram como o inimigo da União Europeia, o iniciador de um possível "Nexit" (em alusão ao Brexit) e o propulsor do populismo de direita na Europa. Porém, segundo as pesquisas mais recentes, 87% dos holandeses são contra Wilders. Isso impede tanto uma tomada de poder na Holanda como um movimento de massa contra a União Europeia. CN/afp/rtr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos