"Mãe de todas as bombas" matou 94 jihadistas, diz governo provincial

Autoridades da província afegã de Nangarhar afirmam que número de combatentes do "Estado Islâmico" mortos por dispositivo americano é bem maior do que inicialmente divulgado e reiteram que não há civis entre as vítimas.O governo da província afegã de Nangarhar afirmou neste sábado (15/04) que a bomba americana GBU-43, chamada de "mãe de todas as bombas" e lançada nesta quinta-feira sobre uma base do "Estado Islâmico" (EI), matou 94 membros do grupo jihadista, entre eles quatro líderes. As autoridades de Nangarhar afirmaram ainda que, na operação, também foram destruídos "três túneis e um depósito de munição", assegurando que não houve baixas civis. O Ministério afegão da Defesa deverá divulgar ainda neste sábado um novo balanço, já que o número oficial de mortos ainda é de 36, todos combatentes do EI. Na quinta-feira, os Estados Unidos lançaram a bomba GBU-43 na província de Nangarhar, no leste do Afeganistão. A bomba pesa 9,5 toneladas, das quais 8,4 são explosivos, e tem um raio de ação de 1,4 quilômetro. O bombardeio foi executado às 19h32 locais. O general John W. Nicholson, comandante das tropas dos Estados Unidos no Afeganistão, disse que a bomba GBU-43 era a arma adequada. Segundo ele, a base atingida era um grande obstáculo na luta contra o grupo terrorista e este "era o momento correto para usá-la". Os Estados Unidos calculam que há entre 600 e 800 combatentes do EI no Afeganistão, a maioria em Nangarhar. Há mais de 8 mil soldados americanos no país, atuando em operações antiterrorismo e no treinamento de forças locais. AS/efe/lusa/ap

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos