Erdogan vence referendo sobre presidencialismo

Contagem indica que "sim" obteve 51,41% dos votos, contra 48,59% para o "não". Oposição contesta resultado, e presidente afirma que país tomou "decisão histórica$escape.getQuote().O "sim" venceu o referendo constitucional na Turquia, afirmaram neste domingo (16/04) emissoras de televisão e sites de notícias locais, com base em apurações paralelas. Horas depois, a comissão eleitoral confirmou a vitória do "sim", mas acrescentou que o resultado final será conhecido daqui a 11 ou 12 dias. Análise: O que está em jogo no referendo da Turquia Segundo a agência de notícias estatal Anadolu, o "sim" venceu com 51,41%, e o "não" obteve 48,59%. A participação dos eleitores superou os 86%. Mesmo antes de haver um resultado oficial, o presidente Recep Tayyip Erdogan já declarara vitória. Ele disse que se trata de uma decisão histórica e pediu aos países estrangeiros para respeitarem o resultado. "Hoje a Turquia tomou uma decisão histórica em um debate que dura 200 anos e que é uma mudança muito séria em nosso sistema administrativo", disse o presidente em um discurso em Istambul. O primeiro-ministro Binali Yildirim afirmou que o "sim" venceu e disse que o referendo marca uma nova etapa na democracia do país. "Com esta mudança, nossa economia crescerá, lutaremos com mais vigor contra o terrorismo e faremos da Turquia um país líder, com alicerces mais fortes para a democracia e o Estado de Direito", prometeu. O "não" venceu nas três maiores cidades da Turquia – Istambul, Ancara (capital) e Esmirna –, bem como na zona costeira do mar Egeu e no sudeste do país, de maioria de população curda. O "sim" venceu na Anatólia e na região do Mar Negro, redutos do partido governamental AKP. O referendo se tornou uma grande vitória para Erdogan, que busca ampliar os poderes do cargo. Partidários dele festejavam nas ruas de Istambul mesmo antes de o resultado se tornar oficial. O principal partido da oposição, o Partido Republicano do Povo (CHP), anunciou que vai pedir a recontagem de 37% das urnas, após relatos de que haveria um grande número de cédulas sem carimbos oficiais. O líder do partido, Kemal Kilicdaroglu, disse que não vai aceitar a vitória do "sim", afirmando que "este referendo trouxe uma verdade à luz: ao menos 50% das pessoas disseram 'não'." Os turcos foram chamados a dar sua opinião sobre as mudanças constitucionais que introduzem o sistema presidencialista no país. A vitória do "sim" significa a substituição da atual democracia parlamentarista por uma presidência executiva de grandes poderes, a partir de 2019, e poderá fazer com que Erdogan permaneça no cargo até 2029. É a mudança mais radical no sistema político do país na história moderna. Entre as mudanças está o fim do cargo de primeiro-ministro, com todos os poderes deste sendo transferidos para o presidente, que poderá ainda emitir decretos e nomear a maioria dos juízes e autoridades responsáveis por fiscalizar as suas decisões. A oposição afirma que as mudanças ameaçam a separação de poderes e corroem ainda mais a independência do Judicário. Erdogan e seus apoiadores afirmam que um governo central forte tornará a Turquia mais apta a enfrentar os atuais desafios, como os problemas econômicos, o terrorismo, o combate aos rebeldes curdos e a guerra na Síria, que levou milhões de pessoas a se refugir em território turco. O resultado deve ter um profunda influência também nas relações da Turquia com a União Europeia. Um acordo fechado entre líderes europeus e o governo turco ajudou a conter o fluxo de refugiados do Oriente Médio para a Europa. Erdogan já ameaçou rever o acordo. AS/afp/rtr/efe/dw/lusa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos