União Europeia pede consenso após referendo na Turquia

Presidente da Comissão Europeia destaca disputa acirrada e diz que alterações constitucionais serão avaliadas à luz das obrigações da Turquia como país candidato ao bloco. Vice-chanceler alemão pede cautela.Diante a vitória apertada do "sim" no referendo constitucional na Turquia, a Comissão Europeia afirmou neste domingo (16/04) que Ancara deve buscar o mais amplo consenso nacional para realizar a reforma aprovada na votação. "Tendo em vista o resultado apertado no referendo e as implicações abrangentes das alterações constitucionais, pedimos que as autoridades turcas busquem o maior consenso nacional possível em sua implementação", afirmou o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, num comunicado assinado em conjunto com a chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Federica Mogherini, e o comissário para Negociações de Ampliação da UE, Johannes Hahn. Leia mais: Com referendo, Erdogan desafia também legado de Atatürk O comunicado destacou que as alterações constitucionais serão avaliadas "à luz das obrigações da Turquia como país candidato à União Europeia" e como membro do Conselho da Europa – organização de defesa e monitoramento dos direitos humanos no continente. Os líderes europeus ressaltaram ainda que estão esperando as avaliações de monitores internacionais sobre as alegações de irregularidades na votação, apresentadas pela oposição. O secretário-geral do Conselho da Europa, Thorbjorn Jagland, afirmou que com o resultado acirrado o governo turco deve considerar os próximos passos com cuidado e lembrou que a independência do Judiciário é um princípio consagrado na Convenção Europeia de Direitos Humanos. Cautela e críticas O ministro alemão do Exterior e vice-chanceler, Sigmar Gabriel, pediu cautela após o referendo na Turquia. "Estamos bem aconselhados a manter a calma e a agir com cautela. É bom que a campanha eleitoral, conduzida com ferocidade, também na Alemanha, agora terminou", disse. O chefe de gabinete da chancelaria alemã, Peter Altmaier, afirmou à emissora de televisão ARD que o resultado mostra um debate político caloroso na Turquia e que o governo alemão respeitará um resultado "originado no voto livre e democrático". Ao ser questionado se o voto foi livre e democrático, Altmaier disse apenas que o governo alemão não comentará o resultado até a contagem final e que observadores estão analisando como a votação foi conduzida. O ministro do Exterior da Áustria, Sebastian Kurz, disse que o referendo mostrou como o país está dividido e afirmou que a colaboração entre a União Europeia e Ancara será mais complexa. O primeiro-ministro dinamarquês, Lars Lokke Rasmussen, expressou preocupação com o resultado. "Estranho ver a democracia restringindo a democracia. A maioria tem o direito de decidir, mas estou preocupado com a nova constituição turca", escreveu em sua conta no Twitter. CN/ap/afp/rtr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos