Oposição promete combater constituinte de Maduro

Movimentos antichavistas denunciam que reforma da Constituição é manobra de um presidente acuado para continuar no poder e pedem que população continue nas ruas e se rebele.Um dia após o anúncio da convocação de uma Assembleia Constituinte pelo presidente Nicólas Maduro, a oposição venezuelana afirmou que vai combater a tentativa de modificar a Constituição e pediu que a população se rebele contra a iniciativa, considerada uma tentativa de marginalizar o Legislativo. "Se todos não derem tudo, corremos o risco de que ocorra o que o mundo inteiro está lutando, junto conosco, para evitar, que é o aniquilamento da democracia", disse nesta terça-feira (02/05) o líder do Parlamento, o opositor Julio Borges, que classificou a Constituinte como um golpe de Estado e pediu aos venezuelanos que continuem protestando. No primeiro protesto contra a Constituinte, centenas venezuelanos em Caracas e em várias cidades do país bloquearam ruas e avenidas. A ação faz parte da estratégia da oposição, reunida na aliança Mesa da Unidade Democrática (MUD), para pressionar o governo através de manifestações populares e evitar, desta maneira, a convocação do processo. A iniciativa impulsionada pela MUD para fechar as principais vias de circulação do país foi colocada em prática em dezenas de pontos da capital venezuelana e do interior. Durante os bloqueios, os participantes seguravam cartazes pedindo a renúncia do presidente chavista e o acusavam de violar a Constituição, criada há 16 anos por iniciativa de seu antecessor, Hugo Chávez, num processo similar. A oposição convocou ainda um megaprotesto para esta quarta-feira. Os bloqueios desta terça-feira, que se somam a mais de um mês de manifestações, ocorreram um dia após o anúncio de Maduro sobre a Constituinte, que, segundo o líder, seria a única solução para a crise. A oposição acusa o presidente, porém, de tentar adiar as eleições deste ano e a presidencial marcada para 2018. Pesquisas indicam que os chavistas seriam derrotados em ambos os pleitos. Maduro não deu cronograma para o processo e não esclareceu se a Constituinte vai se encarregar de redigir uma nova Carta ou se vai se limitar a reformar a atual, aprovada por Hugo Chávez há 18 anos, após chegar ao poder, e que deu início à chamada "República Bolivariana". A assembleia, limitou-se a dizer o líder venezuelano, será "cidadã, e não de partidos políticos". Ela seria eleita com o voto direto do povo e teria cerca de 500 integrantes – metade deles escolhidos diretamente por movimentos sociais, como sindicatos e grupos indígenas. Opositores dizem que o anúncio é outra tentativa de marginalizar o atual Legislativo, liderado pela oposição, e manter o impopular Maduro no poder em meio à recessão e a uma onda de protestos, que resultou na morte de 29 pessoas, deixou mais de 400 feridas e levou à prisão de centenas. Maduro e seus partidários afirmam que a oposição quer derrubá-lo à força como parte de uma conspiração apoiada pelos Estados Unidos para colocar um governo de direita no comando da Venezuela. Entre outras coisas, opositores pedem eleições, o resgate da autonomia do Legislativo, liberdade para mais de 100 ativistas presos e um canal de ajuda humanitária do exterior para aliviar a crise econômica da Venezuela, onde faltam produtos básicos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos