Um ano de governo Temer na imprensa alemã

Jean-Philip Struck

Nos últimos 12 meses, publicações manifestaram desconfiança em relação ao impeachment de Dilma e destacaram escândalos de corrupção e reformas do governo Temer. Jornal chegou a fazer comparação com série House of Cards.Der Spiegel: "Uma terra perdida" – o afastamento de Dilma, 12.05.2016 "Com arrogância e incapacidade, Dilma Rousseff fez muitos inimigos no Brasil – mas uma impugnação não se justifica. O drama em relação à presidente joga o país em uma crise profunda", disse uma análise publicada pela revista semanal. "O grande e orgulhoso Brasil terá que aceitar ser colocado ao lado de Honduras e do Paraguai no futuro – e não só por causa das performances bizarras de seus representantes no episódio do impeachment contra Dilma. Também em Honduras e no Paraguai, presidentes democraticamente eleitos foram removidos do posto de forma questionável nos últimos anos." Leia mais: Um ano de indiferença aos apelos da opinião pública Frankfurter Allgemeine Zeitung: "Uma guinada impressionante à direita" – a ascensão de Temer, 12.05.2016 "O presidente interino Michel Temer e sua coalizão (sem a participação do PT) não têm muito tempo para ganhar a confiança da população de outros países. Mesmo sobre o novo governo há a sombra do escândalo monumental envolvendo em parte a estatal Petrobras. Rousseff foi suspensa por até 180 dias. Nesse meio ano, a equipe de Temer tem que mostrar poder fazer melhor do que o governo Rousseff, que já estava paralisado no final. Cortando custos e aumentando os impostos, privatizando e reduzindo o pessoal no serviço público, Temer quer restaurar a confiança na economia. Isso vai ser marcado por uma guinada à direita", escreveu o jornal de Frankfurt. Zeit online: "O complô brasileiro" – as escutas de Sérgio Machado, 24.05.2016 "Quando o Brasil vai se acalmar?", questionou a versão online do semanário alemão Die Zeit. A reportagem descreveu a revelação das gravações registradas pelo ex-presidente da Petrobras Sérgio Machado, que se tornou um colaborador da Lava Jato. As conversas envolviam diálogos com Renan Calheiros, Romero Jucá e José Sarney e apontavam uma movimentação dos aliados de Temer para barrar a operação Lava Jato. "Por uma semana, uma calmaria parecia reinar na política brasileira. A presidente afastada Dilma Rousseff ficou respondendo a perguntas de cidadãos na internet. Um governo de transição de velhos companheiros passou a implementar um ambicioso programa de reformas conservadoras de direita. E então veio a segunda-feira de manha. O jornal Folha de S.Paulo publicou a bomba em sua primeira página." Süddeutsche Zeitung: "House of Cards à brasileira" – A saída de Jucá, 25.05.2016 O jornal de Munique destacou em maio de 2016 a saída de Romero Jucá do ministério do Planejamento, após a revelação de gravações contendo diálogos comprometedores em que ele sugeriu que a Lava Jato precisava acabar. "O presidente interino Michel Temer nem completou duas semanas no cargo e já perdeu o seu primeiro ministro", publicou o jornal. "O caso não apenas levanta questões sobre a integridade política do novo governo, mas joga mais luz sobre o impeachment de Dilma Rousseff." Zeit Online: "Temer perde mais um ministro por causa de escândalo de escutas", 31.05.2016 "O gabinete do presidente interino Michel Temer está encolhendo: o ministro da Transparência, Fabiano Silveira, está de saída. As gravações de diálogos também se tornaram um desastre para ele", publicou a versão online do semanário Die Zeit. A reportagem descreveu o episódio da queda de Silveira, que, assim como Jucá, também teve conversas gravadas pelo delator e ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. Nos diálogos, registrados antes de Silveira assumir o cargo, ele é ouvido reclamando da operação e dando conselhos para investigados. Handelsblatt: "O duelo dos impopulares" – a batalha final do impeachment, 25.08.2016 O jornal econômico falou sobre as estratégias de Temer e de Dilma antes da votação final do impeachment e sobre como os dois eram reprovados pela população. "A esperança de Temer de que os Jogos Olímpicos fossem unir esse país dividido não se materializaram. Pelo contrário, o presidente interino foi brutalmente vaiado na cerimônia de abertura." Zeit Online: "Foi um golpe"? – A saída definitiva de Dilma, 31.08.2016 "O drama político acabou – ou quase", publicou a versão online do semanário Die Zeit logo após o afastamento definitivo de Dilma pelo Senado. A reportagem apresentou a narrativa da ex-presidente, que classificou o impeachment como um "golpe". "Rousseff explicou o que ela queria dizer com 'golpe' – e, sim, você pode entender os seus argumentos. É possível, basta querer, entender os eventos das últimas semanas como uma quebra constitucional e um ataque à democracia. Roussef foi deposta sob um pretexto [pedaladas], mas na verdade a questão era sobre poder e política – e se você olhar para isso, todo o processo é uma violação da Constituição, apesar de ter seguido regras." Tageszeitung: "Temer promove programa de austeridade", 01.09.2016 "Com o novo presidente, as políticas sociais dos governos anteriores vão ser uma coisa do passado", escreveu o jornal de esquerda, que enumerou as reformas defendidas pelo governo e falou sobre a guinada na política externa, "Desde o início do governo, em maio, a política externa tem sido baseada em uma aproximação com os EUA em vez da promoção de alianças regionais alternativas." Frankfurter Allgemeine Zeitung: "O solitário presidente do Brasil" – as dificuldades políticas do governo Temer, 07.12.2017 "O presidente Michel Temer perde mais e mais aliados. Seis ministros deixaram o cargo nos últimos seis meses", reportou o jornal, que descreveu ainda a confusão envolvendo a permanência de Renan Calheiros na presidência do Senado e a prisão de Eduardo Cunha, um antigo aliado de Temer. "Cunha e Calheiros, dois dos mais importantes políticos do PMDB e do Congresso e dois importantes aliados de Temer no Congresso, foram afastados por ordem do Judiciário." Handelsblatt: "Totalmente desconectado" – o isolamento de Temer da realidade, 08.01.2017 O jornal econômico destacou o fato de o governo pedir para que a população fizesse sacrifícios, mas ao mesmo tempo promover benesses para seus aliados. "O país fragilizado precisa amargamente de um governo forte. Mas as decisões do presidente mostram que ele perdeu completamente a conexão com o seu povo", disse o jornal. "O Brasil está em uma recessão profunda, mas mesmo assim o governo de Michel Temer achou que seria apropriado encomendar alimentos no valor de 400 mil euros para serem consumidos em viagens em 2017. Entre as compras havia 500 potes do caro sorvete Häagen-Dazs." Handelsblatt: "O Brasil sofre com a paranoia" – os efeitos das investigações sobre a classe política, 12.01.2017 "O escândalo de corrupção no Brasil soltou um ciclo de traição. Os afetados querem salvar sua pele apunhalando colegas", afirmou o jornal econômico alemão, numa reportagem que descreveu como deputados estavam evitando usar telefones ou ter conversas comprometedoras nos tempos de Lava Jato. "Códigos estão sendo usados, e quando políticos se encontram em um carro, eles desligam os telefones e guardam os aparelhos no porta-malas. Em alguns gabinetes, os telefones têm que ser entregues na entrada." Frankfurter Allgemeine Zeitung: "A esperança do Brasil" – as medidas econômicas de Temer, 17.01.2017 O jornal conservador de Frankfurt falou das reformas promovidas por Temer e seus potenciais efeitos. "Desde a saída de Dilma, empresas e consumidores no Brasil se sentem mais confiantes", escreveu a publicação. "Apenas reformas estruturais, que vinham sendo adiadas até agora, podem tornar o Brasil mais competitivo e forte a longo prazo. [...] Temer não precisa se preocupar com sua popularidade. Ele já descartou uma nova candidatura nas próximas eleições. É por isso que ele pode introduzir essas reformas dolorosas sem se preocupar com perda de apoio popular." Tageszeitung: "Todo um sistema exposto" – as delações da Odebrecht 12.04.2017 "Condenação generalizada de toda a classe política do Brasil: o Supremo Tribunal Federal divulgou publicamente inquéritos contra oito ministros, 24 senadores e 39 deputados. Os casos se referem ao pagamento de subornos, lavagem de dinheiro e financiamento ilegal de partidos. É um revés para o já controverso governo de Michel Temer, que tenta convencer o seu país de que todos devem apertar os cintos no futuro", escreveu o jornal berlinense. Süddeutsche Zeitung: "Nem tudo está perdido no Brasil" – a luta contra a corrupção no país, 14.04.2017 O jornal de Munique abordou os esforços de promotores e juízes na luta contra a corrupção no Brasil. "O país afunda na corrupção, mas um público cada vez mais crítico oferece esperança. Ele está mais político do que nunca e não está mais disposto a aceitar que o desvio de dinheiro público é parte do folclore latino. [...] Uma nova geração de procuradores e juízes está tentando ir até o fim."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos