Opinião: Tempo de ousar coisas novas na política alemã

Volker Wagener

O pleito na populosa Renânia do Norte-Vestfália foi atípico, definido menos por problemas estaduais do que por grandes temas. Agora seria hora de experimentar coalizões inéditas, opina o jornalista Volker Wagener.Não é um terremoto, mas uma tendência anunciada: a União Democrata Cristã (CDU) ganha, o Partido Social-Democrata (SPD) se dá mal – e como! Previsível só foi o pequeno êxito da populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD). E que o Partido Verde tenha encolhido a proporções de bonsai em um de seus estados-núcleo – enfim, também isso não é nenhuma surpresa. Vista como um todo, a vontade dos eleitores no Oeste da Alemanha expressa uma consolidação em torno do centro tranquilo. Os fatos são inequívocos: pela segunda vez nas últimas cinco décadas, a CDU conquista a grande Renânia do Norte-Vestfália. E isso com o pouco empolgante Armin Laschet, cuja qualidade humana de ser um cara legal acabou sendo seu maior bônus político na flácida campanha eleitoral. Mas o anódino Armin encarou o desafio, e o mais tardar nesta segunda-feira (15/05) a questão será: como foi que ele conseguiu? As respostas serão dispares, mas há um ponto de conexão. Não é mero acaso o pleito renano ser considerado o verdadeiro teste eleitoral para as urnas federais – até por se realizar quatro meses e meio antes das eleições gerais. A vitória da CDU às margens dos rios Reno e Ruhr deve muito a Angela Merkel. Ingênuo quem não o perceba. Há semanas o clima no país vem se transformando. Os clássicos temas estaduais, como as aulas canceladas na Renânia do Norte-Vestfália, os níveis elevados de criminalidade contra a deplorável quota de crimes resolvidos, os engarrafamentos nos maiores estacionamentos da Alemanha – também conhecidos como autoestradas: eles desempenharam um papel, mas apenas secundário. Esta eleição parlamentar estadual foi definida pelas grandes tendências políticas internacionais. Sob a impressão de uma União Europeia gravemente enferma, cujo estado de saúde foi mais uma vez abalado pelos assomos de febre causados por um vírus chamado Brexit, por populistas de direita na Polônia, Hungria, Áustria, França, por Donald Trump, palhaço político que às vezes diverte, mas na maioria dos casos assusta o mundo. Nunca um pleito estadual foi tão contaminado por fenômenos globais intranquilizadores. E a atual eleição é uma resposta às correntes populistas à nossa volta. Após anos de inércia eleitoral, os cidadãos se sentem novamente mobilizados. Não são os extremos políticos que saem ganhando: o fluxo da época volta a correr em direção ao centro. O SPD é a maior vítima neste dia de eleições. Não porque não seja suficientemente centrista, mas por representar, na avaliação dos votantes, apenas a segunda instância de confiança depois da CDU de Merkel. O fato é ainda mais notável por os social-democratas terem sido castigados pelos democratas-cristãos, por assim dizer, dentro da própria sala de estar. Isso faz olhar atentamente em direção às eleições legislativas federais de setembro. Martin Schulz, que tão rápida quanto inesperadamente venceu a letargia social-democrata, desencadeando um verdadeiro culto à sua pessoa, está acabado, ao que tudo indica, antes mesmo da disputa principal pela chefia de governo. E aqui se manifesta, mais uma vez, o velho ponto forte de Merkel: não fazer nada, ou o mínimo possível, ficar quieta, deixar os outros cometerem os erros. Três eleições estaduais em 2017, três vezes vence a União Democrata Cristã, das quais duas como oposição. O Partido Social-Democrata se encontra no mesmo lugar que há anos: no fundo do poço. E há também outros efeitos: há meses nos ocupamos sem cessar de com quantas dezenas de pontos percentuais os populistas de direita da AfD invadiriam também o maior estado federado, desencadeando assim a desestabilidade política. Agora eles apenas conseguiram superar o mínimo exigido de 5% dos votos, sem pompa nem circunstância: são agora um elemento presente em toda a república, mas longe de poder inspirar tanto medo assim. A falta de temas na campanha eleitoral renana é explicação insuficiente para a perda de atratividade dos verdes. Um partido que, desde meados de 2015, aplaude a política para refugiados de uma chanceler federal conservadora acaba vendo a concorrência política lucrar com aquilo que ele próprio gostaria de fazer: deixar os migrantes entrarem, agir humanamente. E Merkel recuperou junto às outras legendas os pontos perdidos com seus críticos dentro da própria CDU. Mas calma: quem sabe os verdes ainda consigam tirar vantagem da própria derrota. Segundo as apurações preliminares, mesmo com o FDP revigorado, a CDU ainda não deverá alcançar maioria absoluta para governar. Assim, não fica fora de cogitação uma coalizão conservadora-liberal-verde na Renânia do Norte-Vestfália. Antes, os verdes já haviam se pronunciado contra tal opção, contudo há metas mais altas à vista. O extremo-oeste da Alemanha sempre gostou de experimentar politicamente. Por que não agora? Já é mais do que hora de ousar coisas novas. E uma tripla aliança pode em breve ser inevitável, caso o parlamento seja ocupado por seis, em vez de quatro partidos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos