Gregos voltam às ruas contra austeridade

Sindicatos convocam greve geral e marcha contra novas medidas exigidas por credores internacionais em troca de empréstimo. Em Atenas, policiais e manifestantes entram em choque em frente ao Parlamento.Milhares de pessoas protestaram contra novas medidas de austeridade nesta quarta-feira (17/05) na Grécia, em meio a uma greve geral de 24 horas. Segundo cálculos da polícia, as manifestações reuniram 12 mil pessoas em Atenas, onde houve confronto entre policiais e manifestantes, e 6 mil em Tessalônica, segunda maior cidade grega. Em Atenas, policiais e manifestantes entraram em confronto em frente ao Parlamento, ao fim de uma marcha que, até então, transcorrera de forma pacífica. Um pequeno grupo de manifestantes lançou pedras e coquetéis molotov contra os policiais, que responderam com gás lacrimogêneo. A greve geral foi convocada pelos principais sindicatos dos setores público e privado, em protesto contra as novas medidas de austeridade exigidas pelos credores internacionais – o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional (FMI) – em troca de um empréstimo já programado. O pacote de medidas deverá ir a votação no Parlamento grego nesta quinta-feira. As reformas ajudarão a desbloquear um empréstimo de 86 bilhões de euros, o terceiro que o país tomará em sete anos. O pacote inclui um novo corte nas aposentadorias, desta vez a partir de 2019, e elevação de impostos a partir de 2020. Ao todo, os cortes somam 4,9 bilhões de euros. A Grécia ainda não se livrou dos efeitos da sua crise da dívida, com o desemprego atingindo uma em cada quatro pessoas no mercado de trabalho. Nesta quarta-feira, professores, médicos e profissionais de várias outras categorias cruzaram os braços. O transporte público foi interrompido na capital. Nos hospitais públicos, apenas o setor de emergência está funcionando. Controladores de voo interromperam o serviço por quatro horas, levando ao adiamento ou cancelamento de mais de 150 voos. Balsas que levam às ilhas gregas não funcionarão até sexta-feira. "Queremos enviar uma mensagem decisiva ao governo, à União Europeia e ao Fundo Monetário Internacional de que não vamos deixá-los cortar nossas vidas", afirmou o sindicalista Alekos Perrakis, da organização sindical comunista Pame. Policiais também protestaram, bloqueando uma entrada do Ministério da Justiça. Eles exibiram uma faixa em grego e em alemão, direcionada ao primeiro-ministro Alexis Tsipras e à chanceler federal Angela Merkel, com os dizeres: "Quanto vale a vida de um policial grego?" A Alemanha, uma das principais contribuintes dos pacotes de resgate, é um dos países europeus que mais pressiona por reformas na Grécia. AS/ap/afp/rtr/efe

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos