Merkel: Europa não pode mais confiar inteiramente nos outros

Falta de consenso na cúpula do G7 e Brexit eminente decepcionam chefe de governo alemã. Mídia americana confirma: Trump pretende retirar os EUA do Acordo de Paris sobre o clima.Num discurso informal em Munique, neste domingo (28/05), a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, não ocultou sua decepção após a conferência de cúpula do G7, em Taormina, Itália. "Os tempos em que podíamos confiar inteiramente em outros ficaram para trás, até certo ponto. Foi o que vivenciei nestes dias. Nós, europeus, precisamos realmente tomar o nosso destino nas próprias mãos." A política conservadora se referia não apenas à postura demonstrada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no encontro internacional encerrado na véspera, mas também ao eminente Brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia decidida por referendo. Naturalmente a amizade com os americanos e com os britânicos deve ser mantida, e Merkel espera manter uma boa vizinhança "também com a Rússia, também com outros Estados". Nesse contexto, é especialmente importante a boa relação com a França sob o novo presidente Emmanuel Macron, salientou a também presidente do partido União Democrata Cristã (CDU), durante um evento da campanha eleitoral de Horst Seehofer, líder da legenda-irmã bávara União Social Cristã (CSU). Trump deve abandonar Acordo de Paris Na cúpula da sexta-feira e sábados, reunindo na ilha da Sicília a Alemanha, Canadá, EUA, França, Itália, Japão e Reino Unido, quase não se registraram progressos no sentido de uma política comum para as sete principais nações industrializadas. Sobretudo o curso de confrontação adotado por Trump precipitou o grupo numa considerável crise. Fracassaram fragorosamente as tentativas dos chefes de Estados e governo das demais seis nações para que ele se comprometesse com o Acordo de Paris, para proteção do clima global. Após o encerramento, em mensagem no Twitter, Trump anunciou que tomaria sua decisão final durante a semana em curso. No entanto, segundo notícia divulgada no próprio sábado pelo site Axios, o chefe da Casa Branca teria comunicado a alguns dos principais assessores que vai retirar os EUA do acordo do clima. A conceituada companhia de informação americana Axio Media cita três fontes com conhecimento direto dos planos do presidente. Migrantes como última prioridade Sobre o tema comércio internacional, o máximo que se conseguiu no encontro do G7, é que nas apenas seis páginas do comunicado final do encontro fosse incluída uma alusão ao combate ao protecionismo – após vencer a resistência de Trump. Só em relação à onda de refugiados alcançou-se um consenso mais fácil entre as sete potências, com a perspectiva de ações mais decididas contra a imigração indesejada. Nos últimos quatro anos, centenas de milhares de migrantes africanos atravessaram o Mar Mediterrâneo para buscar refúgio de guerras e pobreza, indo parar na Sicília e outras ilhas do Mediterrâneo. A Itália esperava convencer seus companheiros do G7 sobre as vantagens da imigração legal como meio para reduzir o número de travessias fatais em barcos precários. No entanto a sugestão foi logo descartada pelos americanos e os britânicos. Demonstrativamente, Trump nem mesmo se dignou a colocar os fones de ouvido para acompanhar a tradução simultânea da exposição do premiê italiano e anfitrião da cúpula, Paolo Gentiloni, sobre as atuais crises na África. AV/afp,rtr,ap,dpa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos