UE e China se unem em defesa do Acordo de Paris

Parceria improvável entre Bruxelas e Pequim visa fazer frente a provável retirada dos EUA do pacto internacional sobre o clima. Após questionar confiabilidade de aliados tradicionais, Merkel se volta para Ásia.China e União Europeia (UE) sinalizaram uma aproximação para salvaguardar a implementação do Acordo do Clima de Paris, diante da provável retirada dos Estados Unidos do histórico tratado internacional para a redução das emissões globais dos gases causadores do efeito estufa. Leia mais: Principais pontos do acordo de Paris sobre o clima A posição do governo do presidente americano, Donald Trump, em relação ao meio ambiente, além do protecionismo alardeado por Washington no comércio internacional, levou à busca de um contato mais estreito entre Pequim e Bruxelas. O premiê chinês, Li Keqiang chegou a Berlim nesta quarta-feira (31/05) para dois dias de reuniões com a chanceler federal alemã, Angela Merkel. A visita ocorre às vésperas de um encontro com líderes da UE em Bruxelas, onde deve reforçar o comprometimento de seu país com o Acordo de Paris. Em Berlim, Li afirmou que lutar contra as mudanças climáticas é uma "responsabilidade internacional" e um "consenso global", e não "uma invenção da China", em referência a acusações feitas por Trump. "A China tem promovido ativamente o Acordo de Paris e fomos uns dos primeiros a ratificá-lo." Após afirmar que a Europa deve seguir seu próprio caminho, uma vez que os Estados Unidos e o Reino Unido já não seriam parceiros tão confiáveis, Merkel parece voltar suas atenções à Ásia. Antes das reuniões com o premiê chinês, a chanceler federal alemã recebeu no início da semana o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi. "Resposta decisiva" ao aquecimento global Em declaração apoiada por todos os 28 países do bloco, a UE e a China devem sair, nesta sexta-feira, em defesa da implementação total do Acordo de Paris, assinado em 2015 por 196 países, anteciparam autoridades europeias e chinesas. No inédito comunicado oficial emitido em conjunto, europeus e chineses irão renovar o compromisso de reduzir as emissões de gases do efeito estufa e a diminuir o uso de combustíveis fósseis, limitando o aquecimento global ao máximo de 2 ºC acima dos níveis pré-industriais. As duas partes se comprometem a incentivar o desenvolvimento de tecnologias verdes e ajudar a arrecadar 100 bilhões de dólares por ano até 2020 para ajudar as economias mais vulneráveis a reduzirem suas emissões de carbono, segundo anteciparam autoridades. "A UE e a China consideram as ações climáticas e a transição para energias limpas um imperativo mais importante do que nunca", diz a declaração assinada pelos presidentes da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e do Conselho Europeu, Donald Tusk, e pelo premiê chinês. "Os impactos cada vez maiores do aquecimento global exigem uma resposta decisiva", diz o texto. A China, que superou os Estados Unidos em 2007 como o maior emissor mundial de gases causadores do efeito estufa, está disposta a apoiar o posicionamento da UE em relação ao meio ambiente, apesar de tensões envolvendo outros temas, como direitos humanos e comércio exterior. Temas espinhosos A UE segue observando com cautela algumas das atitudes adotadas pelo seu segundo maior parceiro comercial, como em relação à militarização de ilhas do Mar da China Meridional ou ao que considera tendências autoritárias do governo de Xi. A aproximação improvável, em grande parte motivada pelas posições adotadas pelo governo Trump, ocorre após desentendimentos de longa data entre Pequim e Bruxelas, também na questão do comércio exterior. A Europa, por exemplo, acusa a China de inundar o mercado europeu com bens de baixo custo. Bruxelas, porém, almeja chegar a um acordo sobre investimentos para abrir o enorme mercado chinês às empresas europeias e remover as onerosas barreiras que impedem o compartilhamento de know-how em diversas áreas. Empresários europeus relatam um aumento das dificuldades de realizar negócios na China. Alguns acusam Pequim de limitar o acesso de estrangeiros ao mercado chinês em favor de empresas domésticas. RC/afp/dpa/rtr/ap

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos