Atentados simultâneos atingem capital do Irã

Atiradores e homens-bomba invadem sede do Legislativo iraniano e mausoléu do aiatolá Khomeini. "Estado Islâmico" reivindica ambos os ataques, que deixam ao menos 12 mortos.Ao menos 12 pessoas morreram e 42 ficaram feridas em dois ataques simultâneos contra o Parlamento e o mausoléu do aiatolá Khomeini, na capital iraniana, Teerã, nesta quarta-feira (07/06). Quatro homens armados entraram por volta de 10h15 da manhã (horário local) no edifício do Parlamento e fizeram reféns. Segundo o Ministério do Interior, os homens estavam disfarçados de mulheres quando entraram na sala de visitantes do Parlamento e abriram fogo. Pelo menos um dos mortos no local era um guarda. O legislador Elias Hazrati afirmou à Press TV que os agressores estavam armados com pistolas e fuzis Kalashnikov. Três dos agressores foram mortos por membros da Guarda Revolucionária, enquanto o quarto morreu ao detonar uma bomba. Pouco depois, outro homem-bomba detonou seus explosivos no mausoléu, e um segundo agressor foi morto a tiros no local. O grupo extremista EI assumiu a responsabilidade pelos dois atentados. A agência de notícias Amaq, ligada ao grupo, afirmou que "combatentes do EI atacaram o templo de Khomeini e Parlamento em Teerã". Esta é a primeira vez que o EI reivindica a autoria de um ataque em solo iraniano. Segundo Hossein Sajedinia, chefe da polícia de Teerã, cinco suspeitos foram detidos na capital após os ataques e serão interrogados. "Ataque covarde" O líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei, usou um tom desafiador para se referir aos atentados. "Esses fogos de artifício não surtem efeito sobre o Irã... Eles são muito pequenos para afetar a nação iraniana", frisou. Khamenei acrescentou que o Irã, que está ajudando o presidente sírio, Bashar al-Assad, a lutar contra rebeldes, inclusive os combatentes do EI, já impediu ataques piores por meio de sua política externa. "Este foi novamente um ataque covarde e uma tentativa inútil de nos intimidar", afirmou Ali Larijani, presidente do Parlamento. A Guarda Revolucionária do Irã acusou a rival regional Arábia Saudita de estar por trás dos atentados. "Nós vamos nos vingar dos terroristas e de seus apoiadores que martirizaram o nosso povo", afirmou o brigadeiro-general Hossein Salami. Riad nega qualquer envolvimento. FC/RC/afp/ap/rtr/efe/dpa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos