Por que homens e mulheres deveriam usar remédios diferentes

Pesquisa mostra que diferenças de metabolismo exigem adequação do medicamento às especificidades da natureza do corpo. Na Alemanha, agências reguladoras já exigem testes em ambos os sexos.A travessia entre o diagnóstico e a cura de uma doença submete homens e mulheres a tratamentos com remédios que não necessariamente são adequados às particularidades de cada organismo, concluiu um estudo realizado no Instituto Max-Planck em Dresden, na Alemanha. Para os cientistas envolvidos na pesquisa, a produção de medicamentos pela indústria farmacêutica desconsidera o fato de que a diferença de gêneros não é só sexual. Um exemplo é o metabolismo hepático. A equipe de Dresden descobriu que a gordura no sangue do homem e da mulher é diferente. Isso indica que o fígado de um e de outro funciona de maneira distinta. Por esse fator, um quinto dos homens analisados pelos pesquisadores apresentou risco maior de desenvolver ao longo da vida diabetes tipo 2, pressão alta e obesidade. Essas informações deveriam ser levadas em conta na hora de definir a composição de um remédio para eles. Mas na maioria dos casos, não são. Nas mulheres, as chances de uma síndrome metabólica são menores. Só que outro problema foi detectado – aliás, um problema para as mulheres que tomam pílula. O consumo de anticoncepcionais, segundo o estudo, produz uma mudança drástica na gordura sanguínea. A consequência é que as células do fígado acabam danificadas. Os cientistas alemães chegaram ainda à conclusão de que a pílula faz diminuir a formação do colesterol bom, o HDL, e eleva o perigo de infecções, pressão alta e arteriosclerose. Foram identificados também distúrbios de ritmo do coração e da circulação do sangue. Tudo isso poderia potencializar os efeitos colaterais de um medicamento, ou mesmo fazer o organismo da mulher reagir de uma forma inesperada. A medicina de gêneros Vera Regitz-Zagrosek, do Instituto de Pesquisa de Gêneros do hospital Charité, em Berlim, alerta para uma negligência que pode transformar qualquer remédio em uma possível ameaça. "Por motivos econômicos, a maioria dos testes para desenvolvimento de medicamentos usa animais machos", afirma. O caminho para minimizar os riscos pode estar na medicina de gêneros. De acordo com Regitz-Zagrosek, o que essa área da saúde pretende é repensar a fabricação e a indicação de fármacos. Para ela, os especialistas precisam se perguntar: "Posso dar isso a um homem? A uma mulher? Na mesma dosagem? Faz diferença se a mulher está no período menstrual?". As mulheres, aponta a pesquisa de Dresden, metabolizam remédios mais lentamente. Por isso estão sujeitas a uma superdosagem. O que não ocorre com os homens. Outro desafio é tirar o rótulo de que certas doenças só atingem um lado. A osteoporose, por exemplo, é considerada por muitas indústrias farmacêuticas uma doença de mulher e os medicamentos geralmente são fabricados para elas. Mas a diminuição da densidade dos ossos afeta homens, que no fim são tratados com os mesmos princípios ativos indicados para o sexo oposto. Na visão de Jürgen Gräßler, pesquisador do Hospital Universitário de Dresden, as conclusões do estudo "podem significar que, no futuro, teremos que fazer um controle mais eficaz e começar cedo ações de prevenção, como dieta e atividades físicas". Na Alemanha, as primeiras mudanças já começaram a surgir. Agências reguladoras exigem que testes para medicamentos sejam feitos em ambos os sexos porque a natureza de cada corpo não é igual.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos