Opinião: Líder opositor russo foi longe demais

Yuri Resheto

A prisão de Alexei Nawalny e de outras centenas de pessoas poderá significar o fim da onda de protestos na Rússia. Neste caso, o político da oposição seria também responsável, opina Yuri Resheto.Um jovem no sul de Novorossiysk, na Rússia, é espancado ao simplesmente tentar registrar um protesto na Câmara Municipal. O homem é um fã de Navalny. Outro jovem de Irkutst, na Sibéria, sofre agressões quase fatais. Sua "culpa" é ser o filho de um empresário que alugou um quarto para a equipe eleitoral de Navalny. Milhares de estudantes em toda a Rússia recebem cartas ameaçadoras por parte das autoridades. Eles são aconselhados a não participar de protestos organizados por Navalny. A justificativa das autoridades: os protestos de Navalny são uma provocação. E para concluir: um menino de dez anos recita Shakespeare no centro de Moscou. A polícia fica nervosa. Ela teme despertar a atenção do público e arrasta o pequeno ator de Hamlet para a delegacia. Se o menino é um fã de Navalny ou se nunca ouviu falar do político, não se sabe. O país inteiro discute o assunto por dias. Esses exemplos mostram quão nervosas estão as autoridades russas. E elas ficam cada vez mais nervosas quanto mais se aproxima a eleição presidencial na Rússia. Leis absurdas são aprovadas a fim de mandar pessoas para a cadeia por mensagens questionáveis. Absurdo do ponto de vista dos direitos humanos. Questionável do ponto de vista das autoridades. Quem quiser continuar lutando, deverá ter cuidado. Caso contrário, a luta terminará rapidamente. Quem vive na Rússia, sabe disso. Alexei Navalny vive na Rússia. Mesmo assim, ele assume o risco. Ele poderá perder. Provavelmente antes do que gostaria. Os recentes protestos em Moscou foram acertados com as autoridades. A aprovação pela cidade é quase um milagre. Afinal, o protesto ocorreria no mais importante feriado nacional – o Dia da Rússia. Verdade que o local aprovado não é a Praça Vermelha, mas sim um ponto de manifestações bem conhecido no centro de Moscou: a avenida Sakharov. Na noite anterior, Navalny convoca seus seguidores a se encontrarem em outro lugar: lá, onde as celebrações oficiais do Dia da Rússia serão realizadas, na rua Tverskaya. Bem no meio do território "inimigo", por assim dizer. Para as autoridades, trata-se de uma clara provocação. Navalny recebe uma clara advertência, mas prossegue em seu intento ... e acaba atrás das grades. Além dele, mais de 700 outros russos foram presos por ir atrás da convocação. Jovens. Estudantes universitários. Colegiais. Muitos deles serão libertados em breve. Mas não todos. Uma medida completamente exagerada das autoridades. Mas também uma provocação totalmente desnecessária por parte do líder da oposição, Alexei Navalny. Em um dia muito especial. E em um lugar muito especial. O resultado: a onda de protestos iniciada por Navalny e que parecia cada vez mais bem sucedida, pode em breve ser coisa do passado. Porque seu líder carismático é simplesmente inacessível. E dos tenros brotos da democracia na Rússia, nada vingará. E então o jogo acabará. E isso seria muito triste.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos