"Estado Islâmico" destrói mesquita icônica em Mossul

Durante fuga, combatentes do grupo extremista colocam explosivos em mesquita do século 12, onde líder do EI proclamou o "califado" há quase três anos.Com o avanço da ofensiva iraquiana para libertar Mossul do "Estado Islâmico" (EI), combatentes do grupo terrorista destruíram nesta quarta-feira (21/06) a mesquita Al Nuri, onde o líder dos extremistas, Abu Bakr al Baghdadi, proclamou o "califado" em 29 de junho de 2014. A informação foi confirmada pelo Ministério de Defesa do Iraque. O porta-voz do comando de Operações Conjuntas, Yahya Rasul, disse à emissora de televisão curdo-iraquiana Rudaw que os combatentes do EI colocaram explosivos no templo do século 12 durante sua fuga. A mesquita é vista como um prêmio simbólico na luta pelo controle da segunda maior cidade iraquiana. Numa mensagem publicada na agência de notícias Amaq, ligada ao grupo extremista, após o anúncio do ministério iraquiano, o EI acusou à coalizão internacional, liderada pelos Estados Unidos, de destruir a mesquita num bombardeio. A coalizão nega a acusação e afirma que não realizou ataques aéreos na região no momento da destruição. Horas antes da destruição, as forças iraquianas anunciaram que estavam prontas para invadir a mesquita, destacada pelo seu minarete inclinado, conhecido como Al Hadba. As forças de segurança iraquianas divulgaram imagens captadas por câmeras aéreas nas quais se veem as ruínas da mesquita destruída. Um comandante das forças antiterroristas, Sami Kadem al Ardi, disse que, após "violentos combates" iniciados esta madrugada e que se estenderam durante todo o dia, as suas unidades chegaram "a dezenas de metros" do acesso da mesquita. Os extremistas estão encurralados pelas forças iraquianas nas últimas ruas que ocupam naquele que foi o seu principal bastião no Iraque, depois que na segunda-feira passada foi anunciada a fase final da ofensiva de Mossul. A campanha de Mossul começou em outubro do ano passado e levou mais de 850 mil pessoas a abandonarem suas casas. Em janeiro, conseguiu libertar os bairros ao leste do rio Tigre e desde fevereiro as tropas iraquianas estão combatendo os terroristas no oeste da cidade, que antes da ocupação do EI, em 2014, chegou a ter cerca de dois milhões de habitantes. CN/efe/ap/afp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos