"Nossa relação com os animais é esquizofrênica", diz filósofo

Stefan Dege (ca)

Em Berlim, chegada de dois ursos panda ao zoológico da cidade provoca burburinho. Ao mesmo tempo, come-se carne e criam-se animais em massa. Para Richard David Precht, humanidade precisa repensar trato com os bichos."Quanto mais poder se possui sobre as coisas, menos respeito se tem por elas", afirma o filósofo, jornalista e autor Richard David Precht, comentando a atitude dos seres humanos perante os animais, como no caso da pecuária industrial. "E agora gastamos milhões com uma casa de pandas", diz Precht sobre a chegada de dois ursos da China ao Jardim Zoológico de Berlim. "De fato, trata-se de uma grande esquizofrenia social!" Por outro lado, o número crescente de veganos e vegetarianos denota uma nova reflexão profunda sobre a relação com os animais. A Deutsche Welle entrevistou Richard David Precht. Nascido em 1964, ele é um dos intelectuais mais renomados nos países de idioma alemão, com livros traduzidos em mais de 40 idiomas. Deutsche Welle: Você está antecipando com alegria a vinda do casal de pandas Meng Meng e Jiao Qing para Berlim? Trata-se de uma visita rara. Richard David Precht: Alegria talvez não seja a expressão certa. Mas acho que é muito bom para o Jardim Zoológico de Berlim ter ganhado a licitação para abrigar esses ursos, que só podem ser vistos em poucos zoos fora da China. Em Berlim, o zoológico está instalando ar-condicionado, áreas sombreadas, riacho artificial, espaços de retiro, etc. Afinal de contas, os ursos devem passar bem. Mas é certo transportar para lá e para cá animais ameaçados de extinção? Este não é o problema. Existe um grande número de animais ameaçados de extinção cuja população só consegue sobreviver graças aos jardins zoológicos. Isso não se aplica em primeira linha aos pandas, mas os zoos prestam atualmente uma contribuição, depois de ter desempenhado um papel nefasto ao longo da história. Existem mais tigres siberianos em zoológicos do que na taiga. E agora esses pandas também atuam como embaixadores políticos... A chamada "política do panda" existe há bastante tempo. Isso já remonta a Deng Xiaoping [governante da China entre 1979 e 1997]. O Zoológico de Berlim já recebeu uma vez dois ursos panda de presente, melhor dizendo: [o então chanceler federal] Helmut Schmidt os ganhou de presente. Isso não é novidade. E não há nada a dizer contra a China mostrar seu lado simpático dessa forma. Você escreveu o livro sobre ética animal Tiere denken – vom Recht der Tiere und den Grenzen des Menschen (Bichos pensam – sobre o direito dos animais e as fronteiras do ser humano). Por um lado, exploramos os animais, como na pecuária industrial. Pelo outro, veneramos nossos bichos de estimação. Como uma coisa se coaduna com a outra? E agora gastamos milhões com uma casa de pandas. De fato, trata-se de uma grande esquizofrenia social! Algo que não vou me cansar de denunciar. Mas isso não é um argumento contra os ursos panda, vai muito contra a pecuária industrial. Antigamente, quando éramos caçadores e coletores e nos víamos como parte da natureza, tínhamos mais respeito pelos animais? Sim, a partir do que podemos perceber de culturas indígenas, ou seja, de povos que vivem, por exemplo, na Floresta Amazônica, ou do que podemos deduzir da religião do Antigo Egito: ali, antes de iniciar a criação sistemática de animais, as pessoas tinham uma relação muito mais respeitosa com os bichos, por não os verem como meros elementos do meio ambiente, mas como parte de um mundo comum. E agora dominamos a natureza, também graças à tecnologia. Azar dos animais? Sim, os animais tiveram muito azar mesmo. Mas quando uma instalação cultural recente como o jardim zoológico burguês contribui para que determinados animais sejam mantidos em reservas, não posso ver nada de errado nisso. Certa vez você disse: "Quanto mais o homem domina a natureza, mais desalmado lhe parece o objeto dominado." Assim é, de fato. Quanto mais poder se possui sobre as coisas, menos respeito se tem por elas. Em certo sentido, isso é uma corrida de longa duração na evolução da história da humanidade. E aí, nem as religiões monoteístas ajudam? Não, as religiões monoteístas como o cristianismo, o islamismo ou o judaísmo contribuíram significativamente para a objetificação dos animais. Nelas, o homem se torna a medida de todas as coisas. E os bichos viram objetos? Exatamente: os seres humanos como criaturas com status exclusivo. A história cristã de salvação não gira em torno de animais, só se ocupa das pessoas. Acredita que deveríamos finalmente esclarecer nossa relação com os animais? Sim, e o estamos fazendo. Observando que na Alemanha existem 1 milhão de veganos, assim como 7,8 milhões de vegetarianos, pode-se deduzir que um profundo repensar está em andamento. Em que direção? Para mais sensibilidade no lidar com os animais em relação ao que consideramos normal. Manter milhares de porcos num chiqueiro, o ato de comer carne, em si... vejo como uma evolução ética o fato de que isso seja cada vez menos óbvio. Os animais sofrem, eles têm consciência, você diz nos seus escritos. Isso é o que deveria orientar a nossa relação com os bichos? Sim, mas, do meu ponto de vista, também uma fascinação fundamental pela natureza. Acredito que não fazemos um favor nem a nós nem à natureza, quando objetificamos tão impiedosamente os animais. O que vai pensar quando estiver em frente do casal ideal Meng Meng e Jiao Qing? Vou observar bem de perto o recinto onde estão instalados, em termos estéticos e das condições de alojamento. O Zoológico de Berlim está em boas mãos, por isso estou bastante otimista.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos