"Brasil precisa de políticos que busquem o bem comum"

Marcio Damasceno

Em entrevista à DW, o ex-correspondente no Brasil da rede de TV alemã ZDF Andreas Wunn diz que país só conseguirá sair da crise a partir do momento em que a classe política parar de visar apenas os próprios interesses.O jornalista alemão Andreas Wunn foi correspondente no Rio de Janeiro da rede de televisão ZDF entre 2010 e 2016, tendo participado nesses seis anos de coberturas históricas, como a Copa do Mundo de 2014, os Jogos Olímpicos Rio e o impeachment de Dilma Rousseff. Há seis meses ele retornou a Berlim, onde agora dirige um programa matinal de notícias da emissora alemã. Em evento organizado pela Sociedade Brasil-Alemanha nesta quarta-feira (28/06) em Berlim, ele apresentou seu documentário Der brasilianische Patient (O paciente brasileiro, em tradução livre), reportagem enfocando os problemas sociais do Brasil às vésperas dos Jogos do Rio. O jornalista também é autor do livro Brasilien für Insider (Brasil para os íntimos, em tradução livre), publicado na Alemanha em 2014, reunindo suas impressões do país. Em entrevista à DW, Wunn comenta a situação atual do Brasil e lembra do tempo em que viveu no Rio, tendo experimentado literalmente os dois lados da mesma moeda. Ele chegou ao país em um período de relativa prosperidade, em que o Brasil era chamado de "a bola da vez", e foi testemunha de uma reviravolta, quando a nação afundou na crise econômica e política, abalada por seguidos escândalos de corrupção. Ele também fala dos desafios para explicar o que acontece no Brasil ao público alemão. "Muitos não conseguem mais entender a confusão. Ainda mais que o atual governo quase não consegue sequer se defender das acusações de corrupção. Muitos têm a sensação de que a coisa não melhora", afirma. DW: Seu documentário Der brasilianische Patient (O paciente brasileiro, em tradução livre) registra os problemas brasileiros nas vésperas dos Jogos do Rio, como se o país estivesse em estado crítico de saúde. De lá para cá, se passou um ano. Na sua opinião, o Brasil ainda está em coma? Andreas Wunn: Difícil de dizer. Quando eu cheguei ao Brasil, nunca poderia imaginar que a situação fosse piorar tanto como nesse ano passado. Em 2010, Lula ainda era presidente, com um índice de aprovação de 80%, crescimento de 7%. No Rio, tínhamos a impressão que a criminalidade estava menor, que a situação melhoraria. E a Copa e as Olimpíadas estavam por acontecer. O Brasil ainda estava muito bem. Então, a coisa foi piorando, vieram os protestos em 2013, a crise econômica, o grande escândalo da Lava Jato, que colocaram o paciente Brasil em coma. Então ocorreram diversos "infartes", com o impeachment da Dilma Rousseff, e agora ninguém sabe onde isso vai parar. Temos a impressão que grande parte da classe política está envolvida em corrupção. E acho que, apesar de uma melhora econômica, nas bolsas e no que toca o crescimento econômico, o "paciente brasileiro", até as eleições no ano que vem, vai continuar em estado vegetativo. Em seu livro, Brasilien für Insider, você escreve que o Brasil é como um Apple entre os países em desenvolvimento, um país potente e com uma imagem simpática, atraente, e do qual todos gostam. Ele ainda é visto assim, mesmo depois de tudo o que aconteceu? Não. Assim como era, não mais. Através da crise e do escândalo da Lava Jato, a imagem do Brasil também foi afetada. Claro que o país ainda tem uma imagem bem positiva. Como eu escrevi: um país sensacional, de pessoas simpáticas, muito emotivo, etc. Mas atualmente só se ouve falar na crise, mais do que em outras coisas. E essa crise profunda, em tantos níveis, econômico, criminalidade, instabilidade política, um sistema político que não funciona, e a corrupção que ofusca tudo, isso tudo influencia a imagem do Brasil, claro. Muitos não conseguem mais entender a confusão. Ainda mais que o atual governo quase não consegue sequer se defender das acusações de corrupção. Muitos têm a sensação de que a coisa não melhora. O Brasil é um país difícil de se explicar, como correspondente, para o público alemão? O público alemão conhece, claro, sobretudo os clichês do Brasil. E muitos pensam que o Rio de Janeiro é o Brasil. Que em todo o lugar tem samba, futebol, caipirinha e praia. O desafio para mim, como correspondente, foi não somente quebrar esses clichês, mas também complementá-los. Os clichês não são, de todo, falsos. Claro que samba e futebol têm um grande papel no cotidiano dos brasileiros e dos cariocas. Mas eu tentei mostrar o panorama todo do Brasil, também em outras regiões, não só nas metrópoles, mas no interior, também na Amazônia etc. E também falar sobre os problemas, além dos clichês, que não estão só na violência nas favelas e drogas, os problemas no Brasil são muito variados. Há uma imensa desigualdade social para a qual até agora não há solução. Tínhamos a impressão que tudo melhorava, que havia uma nova baixa classe média, bolsa família, etc. Mas agora não há mais esse sentimento. Minha sorte, na época, é que o interesse do mundo se voltou para o Brasil durante a Copa do Mundo e as Olimpíadas. E aproveitamos esses grandes eventos na ZDF para reportar sobre esses problemas todos do Brasil. O seu livro, Brasilien für Insider, tem um título que parece o de um guia turístico, o que o livro não é. O que ele aborda? Ele é como um complemento para um guia turístico. Quem viaja ao Brasil, compra um guia e quer também ler alguma coisa para conhecer o país um pouco mais aprofundadamente. Ele é quase uma coleção de reportagens, em que eu conto muito das minhas experiências e minhas viagens através do país. Há um capítulo sobre o Rio e sobre o modo de vida dos cariocas, há um sobre o futebol, um sobre São Paulo, outro sobre música, e por aí vai. todas as coisas que são importantes para a identidade do Brasil e dos brasileiros. Depois que você voltou, ainda tem contato com o Brasil, ainda acompanha o que acontece por lá? Claro. Eu estou de volta há apenas seis meses. E sou casado com uma brasileira. Por isso, eu estarei regularmente no Brasil, onde temos muitos amigos. Assim, o Brasil não sumiu da minha vida depois que voltei para a Alemanha. Brasil é um país sensacional, mas também terrível. Assim como também a vida no Rio. Há quem diga que "o Rio de Janeiro não é uma cidade maravilhosa, é uma cidade num lugar maravilhoso". A natureza é linda, no Rio, por exemplo, mas a cidade tem muitos problemas. E no Rio temos a praia, o clima, as pessoas, os cariocas. São sensacionais. Mas ao mesmo tempo temos também o tráfego, a criminalidade , o caos, a burocracia, a corrupção. Tudo faz parte e, infelizmente não dá para separar uma coisa da outra. Eu diria que tenho uma relação muito apaixonada com o Brasil, muitas coisas me agradam muito, muitas coisas eu acho terríveis. O que é interessante – e isso é algo sobre o que escrevo no meu livro – é que quanto mais tempo eu estava lá, mais crítico eu ia me tornando em relação ao Brasil. Porque o país, ou o Rio de Janeiro, são algo impressionante quando se vê pela primeira vez, quando se vive lá nos primeiros meses ou anos. E quanto mais eu vivia o cotidiano, quanto eu lutava contra esses problemas cotidianos, mais crítico eu ficava em relação ao Brasil. Em relação à política e à economia, na sua opinião, o Brasil ainda consegue se recuperar, sair da UTI? O Brasil tem que se recuperar. É um país tão rico e tem tantas possibilidades. É preciso que se aplique os tratamentos certos. É preciso combater a corrupção, combater a burocracia, combater o famoso custo Brasil, e atrair mais investimentos. Acredito que o Brasil tenha muito potencial. E o país mostrou nos anos passados que tem potencial, mas então veio a crise, a corrupção e tudo foi embora. Não acredito que venha a ser fácil. Mas o Brasil precisa, antes de tudo, de estabilidade política, talvez de uma reforma do sistema político. O Brasil precisa também de reformas econômicas. O problema é que, mais uma vez, os pobres é que serão afetados. O mais importante, entretanto, é que o Brasil precisa de uma classe política que esteja realmente interessada no bem comum e no bem do país e não somente no próprio interesse e no de sua família. E esse é o grande problema. Sem isso, talvez o Brasil não consiga se recuperar. Acho que ainda vai demorar um tempo e que não vai ser fácil. E está totalmente em aberto o que acontecerá politicamente e o como as próximas eleições vão ocorrer. É muito difícil se prever.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos