OMS alerta para resistência do HIV a medicamentos

Apesar de o número de mortes em decorrência do vírus ter caído quase pela metade na última década, Organização Mundial da Saúde aponta resistência a antirretrovirais como obstáculo à meta de erradicar aids.O número de mortes em consequência do vírus HIV caiu quase pela metade na última década, afirmou a Unaids, programa das Nações Unidas de combate à aids, nesta quinta-feira (20/07). No entanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que grande parte do progresso pode ser revertida com o aumento da resistência do vírus a medicamentos. Em seis de 11 países analisados na África, Ásia e América Latina, mais de uma a cada dez pessoas que iniciaram o tratamento antirretroviral apresentaram uma cepa do vírus causador da aids que não respondeu a algumas das drogas mais utilizadas, divulgou a OMS. Segundo a organização, os vírus podem se tornar resistentes às drogas quando os pacientes tomam doses incorretas da medicação prescrita. Cepas resistentes também podem ser contraídas diretamente de outras pessoas. "A resistência aos medicamentos antimicrobianos é um desafio crescente para a saúde global e o desenvolvimento sustentável", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. "Precisamos abordar de forma proativa os níveis crescentes de resistência aos medicamentos contra o HIV, caso quisermos atingir o objetivo global de erradicar a aids até 2030." A OMS recomenda que quando a resistência aos medicamentos se torna muito alta, os países devem adotar para uma droga alternativa. Quando os medicamentos mais comuns não funcionam, os tipos mais caros, que podem ser mais difíceis de encontrar, devem ser testados. A menos que algo seja feito, projeções matemáticas sugerem que as cepas do vírus resistentes a drogas podem infectar 105 mil pessoas e matar 135 mil nos próximos cinco anos, além de aumentar os custos de tratamento em 650 milhões de dólares, de acordo com a OMS. Desde que a epidemia eclodiu na década de 1980, 76,1 milhões de pessoas foram infectadas com o vírus do HIV. Cerca de 35 milhões morreram. Menos mortes e infecções Apesar do alerta sobre a resistência a medicamento, não apenas os números de novas infecções por HIV e de mortes diminuíram, mas nunca antes tantas pessoas soropositivas tiveram acesso a tratamentos antirretrovirais em 2016 – ultrapassando, pela primeira vez, a marca dos 50% dos infectados –, apontam estatísticas da ONU. Segundo levantamento da Unaids, 19,5 milhões de um total de 36,7 milhões de pessoas vivendo com HIV em 2016 tiveram acesso a tratamentos antirretrovirais, que retardam o desenvolvimento do vírus do HIV, mas não o eliminam completamente. As mortes relacionadas à aids caíram de 1,9 milhão, em 2005, para 1 milhão em 2016. O ano passado registrou 1,8 milhão de novas infecções, quase metade do número recorde de cerca de 3,5 milhões em 1997. "Enquanto controlamos a epidemia, os resultados de saúde estão melhorando e os países estão ficando mais fortes", disse o diretor-executivo da Unaids, Michel Sidibe. "Estamos salvando vidas. Comunidades e famílias estão prosperando, já que a aids está sendo contida." Embora os números mostrem uma queda na quantidade de infecções e mortes, ainda não há uma vacina ou cura para o vírus do HIV, e as pessoas infectadas dependem de terapias antirretrovirais ao longo da vida para impedir a replicação do vírus. Sem tratamento, os pacientes continuam desenvolvendo a aids, uma síndrome que enfraquece o sistema imunológico e deixa o corpo exposto a infecções oportunistas, como a tuberculose, e alguns tipos de câncer. PV/efe/afp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos