Putin confirma redução de diplomatas dos EUA

Em entrevista, presidente russo afirma que 755 funcionários do corpo diplomático americano têm até setembro para deixar a Rússia. Medida é resposta às novas sanções impostas por Washington.Em resposta às novas sanções contra Moscou aprovadas pelo Congresso americano, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou neste domingo (30/07) que 755 funcionários da embaixada e dos consulados dos Estados Unidos na Rússia deverão encerrar suas atividades no dia 1º de setembro. "Mais de mil funcionários, entre diplomatas e pessoal técnico, trabalhavam e ainda trabalham na Rússia [para a embaixada dos EUA]. Agora 755 deverão encerrar suas atividades", disse Putin em entrevista à emissora estatal russa Rossia. Moscou exigiu na última sexta-feira que Washington reduzisse sua representação para 445 funcionários, mesmo número de trabalhadores nas embaixadas da Rússia nos EUA. O Ministério russo do Exterior anunciou ainda que a embaixada americana não poderá utilizar alguns armazéns na capital e nem a mansão que dispõe em Serebrianyi Bor, uma área nobre nos arredores de Moscou. Na entrevista, Putin disse que a Rússia tem um grande espectro de possibilidades para responder ao último pacote de sanções aprovadas pelo Congresso americano. "Temos muito a dizer e fazer em muitos âmbitos de cooperação bilateral [com medidas] que prejudicariam os EUA. Mas não acredito que devamos fazê-lo. Atualmente, sou contra", alertou, acrescentando, porém, que pode vir a adotar essas medidas. "A parte americana, sem razão alguma, deu um passo para piorar as relações", afirmou o presidente ao comentar a situação entre os dois países, cujas relações foram estremecidas durante o governo do ex-presidente Barack Obama. As novas sanções impostas pelo governo americano são uma resposta à suposta interferência de Moscou na eleição de 2016, bem como à anexação da Crimeia pelo país em 2014. Aprovado com apoio de republicanos e democratas, o pacote também inclui sanções à Coreia do Norte e ao Irã. Apesar de manifestar oposição à medida, o presidente americano Donald Trump assinará o novo pacote de sanções contra a Rússia, que entre outras medidas, ameaça castigar as empresas de países terceiros que invistam na construção ou manutenção das infraestruturas russas para o transporte de hidrocarbonetos. Caso seja aplicada, esta medida prejudicaria várias empresas da União Europeia, que participam, inclusivamente com capital acionista, em vários gasodutos que unem a Rússia com os países europeus. CN/efe/lusa/ap/rtr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos