O comércio com o ar que respiramos

Wolfgang Dick

  • J.Lee/ Reuters

    Poluição na China faz disparar demanda por ar engarrafado

    Poluição na China faz disparar demanda por ar engarrafado

Contra a poluição nas metrópoles, como suvenires ou para o emprego em hospitais: empresas engarrafam oxigênio, transformando-o num lucrativo negócio internacional.

A demanda por oxigênio nunca foi tão grande – principalmente na China. No país onde anualmente um milhão de pessoas morrem em consequência da poluição atmosférica, moradores estão cada vez mais importando ar: ao preço médio de 20 dólares por garrafa.

O ar vem das montanhas de diferentes países, como o Canadá. Moses Lam, cofundador da Vitality Air, baseada em Edmonton, se diz estar surpreso com o sucesso. Em entrevista à emissora CBC, ele admite que tudo começou com uma brincadeira. Mas, após vender a primeira leva de centenas de garrafas em quatro dias, ele resolveu profissionalizar o negócio

Atualmente, Vitality Air dispõe de escritórios não somente na China, mas também na Índia, Coreia do Sul e Vietnã. A cada duas semanas, 20 funcionários coletam centenas de milhares de litros de ar nas Montanhas Rochosas canadenses. "Ar do Parque Nacional de Banff, o mais antigo do Canadá, é um sucesso", conta Lam.

A fabricação, no entanto, é complicada, pois o ar atmosférico é composto por somente cerca de 20% de oxigênio puro. Ele precisa ser então comprimido e limpo. Além disso, a preciosa mercadoria não possui validade ilimitada. "Por esse motivo, as garrafas devem ser usadas dentro de um a dois anos", recomenda o vendedor de ar.

Desde novembro de 2015, a empresa Green & Clean engarrafa a partir de Sydney ar australiano – das Montanhas Blue ou da Grande Barreira de Corais. Encomendas mínimas de 4 mil garrafas asseguram à firma um faturamento em dólares na casa dos seis dígitos. Os principais clientes vêm de toda a região asiática.

Ar como suvenir

Para algumas pessoas, o ar ou, mais acertadamente, o oxigênio em cilindro é vital: o setor de saúde precisa dele tanto de forma ambulatorial quanto em hospitais ou nos cuidados em casa.

Entre os principais produtores e fornecedores mundiais de oxigênio estão duas empresas alemãs: o grupo Linde em Munique e a firma Air Products de Hattingen, no estado da Renânia do Norte-Vestfália.

A Air Products foi fundada nos EUA já nos anos 1940 e hoje está presente em 50 países. O grupo Linde é ainda maior. A companhia fundada em 1880 pelo inventor do refrigerador, Carl von Linde, está representada atualmente em cerca de cem países. No ano fiscal de 2016, seu faturamento com os negócios de gás chegou a 3,74 bilhões de euros (cerca de 13,7 bilhões de reais).

Há também o ar em garrafinhas, que enfeitam, possivelmente, as prateleiras de compradores e presenteados: elas são lembranças de férias. Até hoje, relógios cuco fazem o maior sucesso como recordação da Floresta Negra. Mas agora, Elke Ott quer oferecer um contraponto a essa tradição, vendendo ar dessa região alemã. Não em garrafas, mas em latas. Já o empresário Stefan Butz, da cidade de Bad Kreuznach, prefere garrafas cristalinas para engarrafar ar de salinas do estado do Sarre.

Uma tentativa semelhante já houve por ocasião da Copa do Mundo de 2006, na Alemanha. Na época, havia o "Ar de Berlim Original". A presunçosa piada ocupou até os burocratas da União Europeia (UE) em Bruxelas. A acusação da UE era que mais de 30% das latas apresentavam elevados níveis de partículas finas. Mesmo assim, a UE não proibiu a venda.

Além de artigo de brincadeira, o ar engarrafado também pode ser usado no ativismo político por mais proteção ambiental: em 2012, o milionário e filantropo Chen Guangbiao vendeu nas ruas garrafas com ar de regiões rurais.

Pesquisadores procuram alternativas para o caso de que o oxigênio no ar não seja mais suficiente para respirar. A proposta deles é restringir o consumo. Eles se baseiam nas conclusões do Centro de Medicina Molecular Max Delbrück de Berlim, membro da Associação Helmholtz.

Os cientistas descobriram que, em suas cavernas subterrâneas, os ratos-toupeira podem suportar por muito mais tempo o ar abafado. Nos experimentos, eles sobreviveram cinco horas ao ingerir frutose de raízes. Além disso, eles reduziram seu pulso de 200 a 50 batimentos por minuto. Se esses roedores podem servir de exemplo para os humanos está em investigação.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos